PUBLICIDADE

Topo

Stalkeadas

Um olhar diferente sobre o que bomba nas redes sociais


Stalkeadas

Clubhouse: influenciadoras testam rede social de áudio e contam impressões

Carla Lemos, Maqui Nóbrega e Bruna Olliveira falam sobre Clubhouse - Reprodução/Instagram
Carla Lemos, Maqui Nóbrega e Bruna Olliveira falam sobre Clubhouse Imagem: Reprodução/Instagram

Nathália Geraldo

De Universa

10/02/2021 16h42

Se você tem iPhone, vontade de ouvir conversas alheias sobre qualquer assunto e disposição para fuçar novos aplicativos, é a hora de você conhecer o Clubhouse, uma rede social baseada em conversas por voz que aterrissou no Brasil e já entrou no hype da semana.

Como definiu o colunista do UOL João Branco, o app é uma mistura de podcast feito ao vivo, chamada em grupo por WhatsApp e, quando os temas são mais educativos, cursos à distância de graça.

Funciona assim: com um convite para entrar - tem gente vendendo por mais de R$ 200 no Mercado Livre, você cria um perfil na plataforma, e começa a seguir usuários e temas de interesse. Nas salas de bate-papo, você pode entrar como ouvinte ou ter acesso ao microfone. Isso fica a cargo do moderador. Não há áudios gravados muito menos fotos ou vídeos; é só a conversa acontecendo entre os participantes naquela hora; se você não estiver acompanhando, perde.

A seguir, três produtoras de conteúdo para internet, Carla Lemos, Maqui Nóbrega e Bruna Olliveira, contam para Universa o que sacaram de melhor por lá e de que forma podemos usar a plataforma para potencializar vozes e discussões relevantes entre mulheres.

"Marcas de moda e de beleza têm ali um espaço incrível"

Carla Lemos - Arquivo pessoal - Arquivo pessoal
Carla Lemos, a @carlinha, já entrou no Clubhouse e conta suas impressões
Imagem: Arquivo pessoal

"De sexta para sábado, fiquei até cinco horas da manhã debatendo Big Brother Brasil. Agora, não fico tanto tempo seguido, mas estou toda hora ali. E não é só para falar de BBB, que é essa grande mobilização nacional. Lá tem debates importantes e traz proximidade com pessoas que você admira. Ali estão o Caetano Veloso, a Anitta. Do nada, aparece o Boninho para conversar com o pessoal.

Ainda há a questão de não ter o app para Android e de ele não ter acessibilidade. Mas como é uma rede social que os influenciadores estão usando, penso que nosso papel é pegar as discussões que estão sendo moldadas ali por um pensamento coletivo e passar para frente.

Como criadora de conteúdo, vejo que o Clubhouse tem a mesma questão dos podcasts, que bombaram por terem uma camada de afetividade entre quem faz e quem ouve. E acredito que pode ser um lugar para nós, mulheres, falarmos das nossas questões: a Alexandra Gurgel, do Alexandrismos, está fazendo isso com salas programadas [ela marcou uma conversa sobre cirurgia plástica para quinta-feira, por exemplo], eu já acompanhei um debate de lideranças femininas no mercado de trabalho. Vou fazer uma falando sobre o futuro da moda, com o escritor André Carvalhal e a consultora de moda Giovanna Nader."

Acho que as marcas de moda e de beleza também têm ali um espaço incrível para ter esse lado reflexivo. Questionar, por exemplo, por que as coleções de produto são feitas unilateralmente, o que podem melhorar. É uma oportunidade de elas estenderem essa conversa, algo que precisam tanto. Pararem de olhar para os desfiles e tendências de fora e verem o que está rolando aqui.

Carla Lemos é feminista, carioca e produtora de conteúdo há mais de 15 anos. Observadora atenta das mudanças de comportamento das mulheres na sociedade, Carla comanda o podcast PRIMAS e é autora do livro "Use a Moda A Seu Favor". Em 2021, lançará seu novo livro, "As Mentiras que te Contaram Sobre Ser Mulher". Carla já publicou textos na coluna Mulher sem Vergonha, de Universa

"Entro em salas para dar risada, não para ter aula"

Maqui Nóbrega - Acervo pessoal - Acervo pessoal
A colunista de Universa fez uma versão de conteúdo dos Stories do Instagram no Clubhouse, com interação de outros usuários
Imagem: Acervo pessoal

"É uma rede social de ligação telefônica? Tô fora. Entrei no domingo e me pareceu um grande pesadelo. Mas, no mesmo dia, fui dar outra chance e entrei em uma sala livre. E desde então, já estive em umas cinco salas como ouvinte e falei em duas, uma que criei com minha sócia, a Karol Pinheiro.

Também fiz uma versão de um quadro que eu tenho nos Stories do Instagram, o 'Me ajuda a te ajudar', em que as pessoas pedem conselhos de vida para mim. Só que apenas 10% das pessoas que me responderam sobre isso tinham Clubhouse, porque tem a questão de ele só ser para iPhone e precisar de convite para entrar. Ainda assim, foi bem legal.

Acho que o aplicativo tem potencial para ser lugar de 'palestrinha', e acho isso chato. Ontem entrei meia-noite e meia e tinha sala falando sobre marketing e mentoria. 'Em que momentos que as pessoas param de trabalhar?', pensei. Ao mesmo tempo, tem coisa engraçada, há salas em inglês para praticar o idioma. E eu estou tentando entrar em salas pra dar risada, conversar e não ficar tendo aula".

Maqui Nóbrega é colunista de Universa, designer, produtora de conteúdo para internet, feminista, gorda. Em seu perfil, ainda se descreve como "um pouco chata, bastante legal e nada romântica"

"Se continuar o clima de 'roda de bar', o hype continua"

bruna olliveira - Reprodução/Instagram - Reprodução/Instagram
Bruna Olliveira gosta do clima de "mesa de bar" dentro aplicativo
Imagem: Reprodução/Instagram

"Neste momento, o Clubhouse tem vários nichos, muitas salas sobre BBB e sobre marketing digital. Eu já falo e apareço muito nos meus Stories do Instagram, e o Clubhouse ajuda ainda mais quem produz conteúdo, porque ali a resposta é muito rápida. Por isso, é muito fácil dispensar muito tempo ali. Tanto que no final de semana meu companheiro foi até dormir mais cedo, porque eu fiquei ouvindo as salas no fone de ouvindo o tempo inteiro. Agora, já estou mais controlada.

Nunca imaginei que a gente ia ter uma plataforma em que falaríamos por áudio o dia inteiro. E acho que se a gente não souber diversificar os assuntos, é possível ficar cansativo e que as pessoas usem menos.

Mas, se continuar esse clima de roda de bar, em que se fala de tudo, de política, música, e no meio, a participação de uma dermatologista nos lembrando de passar protetor solar, o hype vai continuar.

Quanto a fazer publicidade lá dentro, já tem muita marca e pessoas que trabalham com marketing com perfil por lá. Como eles acabam ouvindo o que os influenciadores estão falando, pode ser legal para saberem o que a gente pensa, como uma vitrine. Além disso, acredito que a rede poderá ser um meio de articulação para as pessoas de esquerda, nas próximas eleições. Porque há salas com participantes de várias cidades, que querem algo para melhorar o país.

Ainda não vi nenhuma só com temas para mulheres, mas destaco uma que a Andreza Delgado [colunista de Splash, em UOL] fez sobre cancelamento, que eu achei muito boa."

Bruna Olliveira é produtora de conteúdo para internet e está no Instagram como @brunaolliveira

Stalkeadas