PUBLICIDADE

Topo

Alto Astral

Eclipses e retrogradações: o que esperar em 2021, segundo astrologia

Os grandes acontecimentos astrológicos previstos para 2021 - Getty Images
Os grandes acontecimentos astrológicos previstos para 2021 Imagem: Getty Images

Claudia Dias

Colaboração para Universa

15/01/2021 04h00

Além da regência do planeta Vênus, o novo ano também será impactado pelos acontecimentos previstos no calendário astrológico. O ciclo será marcado por quatro eclipses e uma dezena de retrogradações, que prometem impactar o dia a dia.

O 2021, aliás, já começa sob forte influência da grande conjunção dos planetas Júpiter e Saturno em Aquário, que começou em 21 de dezembro, abrindo um ciclo de 200 anos dos planetas nos signos de Ar.

Ambos ficam conjuntamente em Aquário até dezembro de 2021, quando a diferença de velocidade deles fará com que se posicionem em signos distintos nos próximos anos.

A influência da conjunção

Posicionado sobre Aquário até março de 2023, Saturno deve provocar mudanças de tecnologia, ciência e comunicação de massa. Enquanto isso, Júpiter, em Aquário até o mês de de dezembro (com breve temporada em Peixes entre maio e julho), vai ampliar ainda mais a comunicação digital, inspirar a pesquisa científica e promover diversidade entre lideranças.

No período em que estiver em Peixes, Júpiter vai expandir o interesse por religião e temas místicos. Além disso, vai provocar o olhar para a população menos favorecida e despertar influências positivas na área de saúde.

"Será um ano em que deveremos estar abertos a novas formas de amar, novas formas de nos comunicarmos e nos relacionarmos socialmente", comenta a astróloga Virginia Gaia.

Ano terá quatro eclipses

Os eclipses são acontecimentos astronômicos e, também, astrológicos. Mas é bom lembrar que a astronomia não utiliza os signos como referência no céu, conexão feita apenas pela astrologia. Em 2021, serão quatro eclipses: dois lunares e dois solares.

O primeiro deles será um eclipse lunar total no signo de Sagitário e está previsto para 26 de maio. Logo depois, em 10 de junho, haverá um eclipse solar anular em Gêmeos.

Os eventos voltam a tomar o céu no fim do ano: em 19 de novembro haverá um eclipse lunar parcial no signo de Touro, enquanto em 4 de dezembro acontecerá o eclipse solar total em Sagitário.

O fato de três deles acontecerem no eixo formado por Gêmeos e Sagitário representa um momento de incerteza, sobretudo em relação a viagens e intercâmbio cultural, o que pode impactar a comunicação internacional. Ainda devem refletir mudanças no que diz respeito às relações entre países, todos temas ligados aos dois signos em questão.

O único eclipse que varia de eixo, o de 19 de novembro em Touro, vai espelhar, principalmente, na economia e na necessidade de desapego a práticas antigas, exigindo uma reinvenção na forma de gerar renda.

Planetas retrógrados à vista

O 2021 também será marcado por dez retrogradações de planetas: três de Mercúrio, uma de Júpiter, uma de Saturno, uma de Vênus, duas de Urano, uma de Netuno e uma de Plutão.

Isso significa que, em determinados momentos do ano, eles vão reduzir o ritmo do movimento ao redor do sol, criando a ilusão de ótica de que estariam caminhando na direção oposta, a partir do ponto de vista terrestre.

"Para a astrologia, significa um pedido de maior atenção aos temas regidos por cada um dos planetas durante o período de retrogradação", explica Virginia. Confira quando os movimentos vão acontecer, no decorrer do ano:

Mercúrio retrógrado

  • de 30 de janeiro a 20 de fevereiro, no signo de Aquário
  • de 29 de maio a 22 de junho, em Gêmeos
  • de 27 de setembro a 18 de outubro, em Libra

A mais comum e conhecida das retrogradações envolve o planeta regente da comunicação e do cotidiano. Mercúrio retrógrado geralmente provoca dificuldades na transmissão de mensagens (aparelhos que pifam, ruídos nas conversas etc.) e nas transações eletrônicas. Pode, ainda, render imprevistos relacionados a compromissos e viagens, o que costuma gerar pequenos atrasos e dificuldades com aparelhos e transações eletrônicas.

Júpiter retrógrado

  • de 20 de junho, no signo de Peixes, até 18 de outubro, em Aquário

Por Júpiter ser um dos planetas sociais, ou seja, mexe mais com plano coletivo, este é um dos acontecimentos astrológicos mais importantes do ano. Júpiter rege a expansão a educação e as grandes viagens. Quando retrógrado, expõe a necessidade de revisão de crenças pessoais e relações internacionais. Também afeta o crescimento em projetos de longo prazo.

A importância, entretanto, tem a ver com a mudança de signos que vai ocorrer durante desse evento. "Júpiter sai de Aquário, fica em Peixes (entre maio e junho) e volta para Aquário até dezembro. Sentiremos a diferença e o impacto da troca de signos", diz Virginia.

Nesse intervalo, temas místicos, questões de fé, ampliação de saúde e discussões sobre compaixão e exclusão social vêm à tona. "Quando volta para Aquário, volta também para temas do signo: revolução científica, inovação, discussão da comunicação e revolução do pensamento", explica Virginia.

Saturno retrógrado

  • de 23 de maio a 10 de outubro, no signo de Aquário

Trata-se de outro acontecimento importante, pois Saturno também é classificado como planeta social, afetando mais o coletivo. Saturno é o regente do planejamento e dos grandes ciclos de tempo.

Ao entrar em retrogradação, pede revisão das bases e dos projetos previstos para durar anos. "É hora de fazer ajuste nos planos de longo prazo que estão sendo construídos", avisa Virginia.

Vênus retrógrado

  • de 19 de dezembro a 29 de janeiro (2022), no signo de Capricórnio

Regente dos relacionamentos e dos valores pessoais, o planeta Vênus tende a refletir no campo das relações humanas e da diplomacia, o que pede uma revisão do que acontece com tais questões.

Além do mais, Vênus está ligado às finanças e, por isso, a tendência é surgir instabilidade no que se refere às contas, exigindo mais cuidado e atenção. O reflexo deve acontecer a nível nacional também.

"O estilo de vida continuará mudando a economia enquanto as oportunidades financeiras individuais seguirão concentradas em áreas ligadas à inovação e à tecnologia", comenta.

Urano retrógrado

Quando:

  • 15 de agosto (2020) a 14 de janeiro, no signo de Touro
  • 19 de agosto a 18 de janeiro (2022), também no signo de Touro

O ano começa sob a retrogradação de Urano - planeta da inovação e da tecnologia e que, quando retrógrado, estimula a reflexão sobre assuntos relacionados à ciência e às organizações sociais.

Entretanto, o 2021 não será influenciado por esse movimento, pois o ano astrológico só começa, oficialmente, em 20 de março, com a entrada do sol no signo de Áries, quando Urano já terá saído da retrogradação.

Netuno retrógrado

Quando:

  • de 25 de junho a 1° de dezembro, no signo de Peixes

Por reger os processos psíquicos e os movimentos de massa, quando Netuno entra em retrogradação, ele acaba estimulando a revisão de assuntos ligados ao coletivo e, também, à religião e à compaixão.

Plutão retrógrado

Quando:

  • de 27 de abril a 6 de outubro, no signo de Capricórnio

Plutão é o regente da sexualidade, do inconsciente e do ocultismo. Ao ficar retrógrado, o planeta convoca para uma reflexão maior sobre temas tabus e assuntos obscuros. Igualmente é um bom momento para rever relações de poder.

Alto Astral