PUBLICIDADE

Topo

Moda

Moda na Black Friday: quer comprar roupa pela web, mas tem medo? Veja dicas

Getty Images
Imagem: Getty Images

Fabiana Correa

Colaboração para Universa

06/11/2020 04h00

Aprender a comprar roupas e acessórios pela internet pode ser uma maneira prática de construir um guarda-roupa funcional e aproveitar a Black Friday para dar um up no seu estilo. É um modo também de, com consumo consciente, se preparar para a volta à vida como era antes, né?

O mais importante a saber é: se você experimentar o item que comprou e perceber que não combinou com o que já tem, pode devolver. Na hora das promoções, geralmente duas vezes por ano, os descontos dos e-commerce costumam ser maiores e durar mais tempo que as liquidações das lojas físicas. E agora entramos em novembro, mês em que a Black Friday, no dia 27, faz chover opções de desconto.

Você pode acompanhar o preço daquela peça que você ficou namorando, mas estava fora do seu orçamento, e checar se ela ainda está lá na hora em que os precinhos caírem. E, nesse momento de isolamento social, é um jeito seguro de comprar uma peça que fará diferença no seu guarda-roupa.

Claro que existem algumas armadilhas, mas há vantagens também -e, por isso, é uma boa aprender o que o observar na hora de dar uma olhada nas vitrines virtuais.

O que vale a pena comprar?

Blusas, roupas de malha e acessórios são mais fáceis de acertar nas compras online do que blazers, sapatos e jeans, que pedem caimento perfeito e, muitas vezes, ajustes. Vale lembrar que, no momento que estamos vivendo, é importante investir seu dinheiro no que vai fazer a diferença hoje, como um lenço de seda ou um belo par de brincos - que podem fazer bonito no Zoom.

Se você estiver atrás de algo de uma cor específica, redobre os cuidados: não dá para confiar em cor de tela. Se for algo que tem que combinar com peças já existentes, por exemplo, talvez o comércio online não seja o melhor caminho.

Existe hora certa para encher o carrinho?

Fazer compras no fim do dia, quando você já está cansada, não é uma boa ideia. Também não é recomendável comprar logo de cara. Se você gostou da peça, se acha que ela combina com as roupas que você tem no armário, se tem a ver com o seu dia a dia (por exemplo, um sapato de salto não vai combinar com quem anda muito), coloque a peça no carrinho e espere até o dia seguinte para ver se aquela paixão de momento se mantém.

Fique esperta para não usar o consumo como forma de combater frustrações. Neste momento, em que estamos passando muito tempo em casa e isoladas, não é incomum descontar a tristeza em compras. Mas vamos lembrar que, exatamente por estarmos saindo menos, precisamos de menos roupas. Faça a lista olhando para o seu guarda-roupa e para as suas necessidades atuais.

Se as promoções de Black Friday não te empolgarem, calma. Espere até o início de janeiro, quando acontecem as grandes liquidações. Janeiro e junho costumam ser os melhores momentos do ano para conseguir grandes descontos em vestuário.

Você já pode começar a monitorar o preço da peça e inclusive projetar o preço que você deseja pagar. E só quando identificar uma oportunidade passe o cartão. Pela minha experiência, costuma dar certo.

Mulher tira roupa da caixa - Getty Images - Getty Images
Imagem: Getty Images

Quatro pontos para considerar na hora de escolher

  • Tecidos

Existem três tipos de fibras que podem entrar na composição de um tecido: naturais (de origem vegetal ou animal: algodão, seda, linho e lã), artificiais (feitos a partir de matéria-prima natural, caso da celulose, como o modal, o cupro, e a viscose) e sintéticas (por exemplo, poliéster, acrílico e poliamida, provenientes de químicos e petróleo).

Boa parte das roupas mistura fios sintéticos e naturais para baratear o custo. Quanto mais natural for, mais cara e de melhor qualidade a roupa costuma ser. Todas essas informações estão naquela etiqueta interna, mas os bons e-commerce as incluem ao lado da foto da roupa ou na descrição da peça, consulte.

As fibras naturais normalmente costumam ter um toque mais agradável, permitem que a pele "respire" e vão se manter mais bonitas ao longo do tempo. Uma blusa de tricô de lã, por exemplo, vai manter a aparência por mais tempo do que uma de acrílico, que faz bolinhas rapidamente.

As fibras artificiais estão no meio do caminho: são mais baratas do que linho ou seda e permitem muitas possibilidades em termos de texturas, por isso hoje vêm sendo muito usadas. As fibras sintéticas, produzidas em larga escala, costumam ter o preço mais baixo e por isso são a maioria das peças vendidas em lojas conhecidas como fast fashion.

A exceção entre as fibras artificiais são os tecidos tecnológicos que podem ter uma textura diferente ou alguma propriedade especial (com os tecidos dry, de peças esportivas, que secam rapidamente). Nesse caso, você está pagando a tecnologia investida ali e não a origem da fibra em si.

  • Caimento

Prefira comprar online de marcas que você já consome ou, se não conhece, vá ver pessoalmente assim que possível para entender caimento e qualidade da costura antes de comprar online.

Se for marca de sapatos, esse conhecimento prévio é mais importante ainda, porque você vai saber se aquela forma fica bem no seu pé. Leia ainda os comentários sobre as peças no Instagram e no site da loja, veja quais as principais reclamações e tente se precaver.

  • Material dos acessórios

Essa diferenciação entre material natural e sintético também pesa no preço e no acabamento de bolsas e sapatos. Couro vegetal e solado de borracha são mais baratos do que os de origem animal, mas têm um acabamento menos refinado. Nos sapatos de couro, o pé "respira" mais, a durabilidade é maior (com exceção do solado, que dura mais se for de borracha). Então o investimento vai depender da sua necessidade, mas fique atenta ao comparar peças para entender o custo e a aparência de cada uma.

  • Tamanho

Não existe muita padronização entre as marcas brasileiras, por isso é importante checar as medidas que estão no site para descobrir seu tamanho em vez de ir direto no M ou 44. Tire as medidas do seu corpo e compare com as da peça.

Pesquise o Instagram e veja se há imagens de gente real usando a peça de que você gostou. No corpo das modelos, tudo cai perfeitamente. Mas pode ser que aquela blusa sem alça não fique tão confortável em quem tem mais busto, por exemplo.

Tenha anotadas as suas principais medidas: quadril (a parte mais larga), cintura, busto (a parte mais larga, geralmente sobre o mamilo) e altura.

Direito à troca e arrependimento

Nem todas as marcas são boas em vendas online, por isso os grandes sites de e-commerce, que reúnem diversas grifes, podem ser uma referência para começar —além economizar no frete caso compre peças de estilistas ou marcas diversas. Mas um dos lados mais bacanas dessa história é descobrir marcas pequenas que tenham tudo a ver com o seu estilo.

Nesse caso, faça a sua primeira compra com uma peça que não seja muito cara para você. Se tudo sair como prometido, você fica à vontade para continuar. De qualquer maneira, é bom olhar a política de trocas e devoluções antes de finalizar.

Segundo o Código de Defesa do Consumidor, o cliente tem 7 dias para devolver a peça por qualquer motivo a partir da data de entrega -mas talvez tenha que pagar o frete para retorno. Geralmente se pode escolher entre ter o dinheiro de volta ou 30 dias para trocar a peça. Também há garantia de 30 dias.

Não deixe também de checar o valor e as opções de frete para a sua região, o que pode encarecer o produto.

Moda