PUBLICIDADE

Topo

Moda

Esculturas para vestir: conheça a designer de joias Mercedes West

A designer Mercedes West - Divulgação
A designer Mercedes West Imagem: Divulgação

Aline Fava

Colaboração para Universa

05/11/2020 04h00

Esculturas usáveis: assim foram definidas as joias criadas pela designer brasileira Mercedes West pela conceituada revista Vanity Fair britânica, que destacou suas formas inusitadas. Em entrevista a Universa, ela conta sobre seu processo de criação, suas inspirações e o que sentiu quando viu seu trabalho estampado na revista.

Filha de mãe uruguaia e pai brasileiro, Mercedes nasceu no México e foi criada na Bahia: "Meus pais se conheceram em Washington quando meu pai trabalhava na ONU. Por conta disso, cada filho nasceu em um lugar do mundo". Essa característica multicultural de sua família acabou rendendo muitas referências para a designer, entre elas, ela cita o espírito de pesquisadora de sua mãe, que colecionava artesanatos dos locais por onde passaram.

Formada em arquitetura na Bahia, Mercedes se mudou para o Rio de Janeiro, onde foi estudar ourivesaria, um desejo que nem ela sabia que tinha. "Fazendo psicanálise, eu percebi que desejava e nem sabia", conta. Seu próximo destino foi a Alemanha, onde conseguiu um estágio no reconhecido Atelier Zobel: "Isso foi muito importante para mim por questões técnicas. Juntei essas minhas informações à minha bagagem de formação familiar e ao que eu estudei de arquitetura", conta.

O processo de criação

Mercedes conta que, ao desenhar e produzir suas joias, tem duas coisas que despertam seu interesse. Uma é a orientação para a criação de peças que "vistam" a pessoa: "O papel principal é realmente o da pessoa que está usando e, então, eu sempre crio peças a partir de pessoas. Crio na minha cabeça personagens que eu quero atender, sou muito observadora. Vejo alguém que está usando coisas que eu jamais usaria e tento imaginar algo que eu faria e que aquela pessoa quisesse usar. É meio que um desafio particular".

Seu outro objetivo é que o objeto que está criando tenha uma vida própria. "Eu procuro contar histórias, traduzir o que eu penso em forma. Eu gosto de pensar sempre coisas muito básicas, que fazem a gente ficar em pé todos os dias, como a lei da gravidade, o vento, como as árvores vão em determinada direção, enfim, coisas muito triviais, que eu acho que são coisas muito inspiradoras."

joia 1 - Divulgação - Divulgação
Colar Bromélia
Imagem: Divulgação
joia 2 - Divulgação - Divulgação
Colar Escapulário
Imagem: Divulgação

Suas peças, dependendo do ângulo que se olha, têm formatos diferentes, o que pode ser difícil de ser mostrado através de fotos. Foi por isso que Mercedes começou a fazer vídeos em seu Instagram - visitar seu perfil é como entrar em seu ateliê e ver o que se passa em sua bancada.

"Eu sempre fui bastante reservada, nunca me senti muito apta a aparecer. Mas senti que, na verdade, a gente vai criando mais possibilidades de diálogo quando faz isso, para se aproximar mais das pessoas e encontrar mais pontos de identificação."

Em seus 10 anos de marca, algumas criações de Mercedes já se tornaram assinatura de seu trabalho, como os escapulários, que são uma referência cultural forte que a designer traz da Bahia. Como herança dos estudos de arquitetura, Mercedes compara ouro ao aço e prata ao concreto. Além dos metais, ela trabalha com pedras lapidadas ou brutas e gosta de pesquisar novos materiais para seus colares, pulseiras, anéis e brincos.

Seu trabalho já esteve disponível nos Estados Unidos, Itália, Luxemburgo e Portugal, mas nunca na Inglaterra. A Vanity Fair encontrou suas criações e entrou em contato com Mercedes através de seu site.

Um anel que traduz bastante seu estilo foi o escolhido para estampar a revista: "O anel Complementar foi uma das primeiras peças que fiz, acho ele muito emblemático porque são dois, tem o diálogo que eu gosto de fazer entre prata e ouro. A forma de encaixe que não é tão clara, meio que se sobrepõe", explica Mercedes.

Sobre ver seu trabalho estampado na revista, a designer conta como se sentiu: "Eu achei muito curioso. Se o meu trabalho tem detalhes, vários outros têm detalhes também. Me causa um pouco de curiosidade imaginar que escolheram colocar o meu trabalho lá. É importante conseguir enxergar ele tomando voo, ele é um trabalho autoral e tem muitas pessoas espalhadas pelo mundo que podem gostar, que podem se identificar".

Moda