PUBLICIDADE

Topo

"O racismo é uma grande cicatriz social", diz Xongani em Universa Talks

De Universa

04/11/2020 13h13

No debate sobre cicatrizes e as marcas que o nosso corpo carrega, a empresária e colunista de Universa Ana Paula Xongani e a influenciadora digital Nina Gabriella ensinam a importância de convidar mulheres pretas para falar não somente sobre racismo, mas temáticas diversas como beleza.

"As diferenças começam pela branquitude. Quando se busca para liderança [de uma empresa] uma mulher gorda, ela vai ser branca. Quando se busca qualquer diferença, ela começa pela branquitude e esse é um reflexo do racismo estrutural. A gente precisa ver mulheres atípicas e pretas, senão a gente discute sempre de forma superficial. Não tem como discutir qualquer pluralidade sem passar pelo racismo", afirma Xongani durante a terceira edição de Universa Talks, promovido por Universa.

Nina endossa:

"Existe mulher negra PCD (com deficiência), mulher negra que fala sobre moda. As pessoas colocam a mulher negra para falar sobre negritude somente, mas a mulher preta está para além da conversa sobre racismo. [Ela está] Para falar sobre cabelo no geral, pele no geral. Maquiagem é para todo mundo e a galera preta está cansada de ser procurada só pra falar de negritude, racismo e como a gente sofre".

O bate-papo, mediado pela editora-chefe de Universa Dolores Orosco, começou com um depoimento de Letticia Munniz (modelo curvy e influenciadora) e também contou com a presença da modelo Giulia Dias e Juliana Romano (criadora de conteúdo digital).

Emocionada, Letticia conta que sempre desejou ser modelo, mas seu corpo nunca foi considerado certo, e por isso ela levou uma vida de transtornos alimentares.

"Minha vida quase que inteira foi baseada em simplesmente tentar ser uma mulher magra. O dia que escolhi entre ser magra e ser feliz foi porque me libertei disso", ela afirma. "Um dia cansei e não aguentava mais acordar e dormir só falando disso e descobrindo o que mais podia fazer já que tudo que tomei me machucou, a fome que passava, nada era suficiente. E decidi que não queria viver a vida dessa forma", ela complementa.

Dolores Orosco, editora-chefe de Universa, conversa com a empresária e colunista de Universa Ana Paula Xongani sobre cicatrizes e estrias - Mariana Pekin/ UOL - Mariana Pekin/ UOL
Dolores Orosco, editora-chefe de Universa, conversa com a empresária e colunista de Universa Ana Paula Xongani sobre cicatrizes e estrias
Imagem: Mariana Pekin/ UOL

"Somos lindas e todas as nossas marcas são importantes"

Giulia tinha nove anos quando, em 2007, sofreu um acidente de trânsito que a deixou com uma destacada cicatriz no rosto. Hoje modelo, ela explica que suas marcas não a abalaram.

"Não tem padrão de beleza. Somos lindas e todas as nossas marcas são importantes", ela ensina, para depois afirmar: "A moda ainda é um mercado um pouco restrito, e acho importante nós estarmos presentes nele para aumentar mais a desconstrução e poder trazer outros corpos".

Juliana também atenta para a importância de olharmos com mais amor para nossas marcas, e de trabalhar a nossa autoestima.

"Autoestima é o autoconhecimento, e quando você consegue identificar as características do seu corpo, ajuda muito a fortalecer. A moda em si não é uma blusinha que vai fazer com que você se olhe diferente, mas esse processo de se conhecer, quando você se olha no espelho, ajuda a se fortalecer para enfrentar o mundo".

Minhas marcas, minha história

Nina conta que por muito tempo, por exemplo, tentou ser magra e ficava cinco horas na academia, mas hoje olha para seu corpo e vê que suas marcas trazem histórias: "Cada marca do nosso corpo traz uma história que fazem a gente ser quem é".

Mãe de uma menina de seis anos, Xongani comove ao mostrar como ensina a criança a se amar.

"Um dia a minha filha me perguntou porque eu tinha marcas na barriga (referindo-se às suas estrias). E respondi: 'porque na minha barriga você já gostava de desenhar e aqui são seus desenhos'. Esse ressignificar dessas marcas, lembrando da gestação e entendendo essas marcas, me fez naturalizá-las. Não sei se é gostar, mas é naturalizar".

A transmissão do Universa Talks acontece ao vivo aqui em Universa e pelas nossas redes sociais: YouTube, Facebook e Twitter. O Instagram de Universa trará ainda os bastidores do evento.

Veja a programação completa do evento.

Universa Talks - Conversas sobre autoestima

Programação de 4 de novembro

10h
Discurso de abertura: Joice Berth.

10h30
A jornada do corpo gordo
Mediação: Maqui Nóbrega (colunista de Universa).
Convidadas: Alexandra Gurgel (fundadora do @movimentocorpolivre), Dani Lima (criadora de conteúdo), Marcela Kotait (nutricionista) e Flávia Durante (criadora da feira Pop Plus).

11h30
Cicatrizes: meu corpo, minha história
Discurso:
"Amor próprio é o novo sexy", com Letticia Munniz
Mediação: Dolores Orosco (editora-chefe de Universa).
Convidadas: Giulia Dias (modelo), Juliana Romano (criadora de conteúdo digital), Nina Gabriella (influenciadora digital) e Ana Paula Xongani (empresária e colunista de Universa).

12h30
A coisa mais moderna que existe nesta vida é envelhecer
Mediação: Silvia Ruiz (colunista do UOL).
Convidadas: Carolina Ferraz (atriz e apresentadora), Zezé Motta (atriz e cantora) e Rosana Hermann (jornalista).

13h30
Os caminhos da autoaceitação
Bate-bola entre as colunistas de Universa Xan Ravelli (colunista de Universa) e Fabi Gomes (maquiadora e colunista de Universa).

14h30
Movimentos que constroem a autoestima
Mediação: Débora Miranda (editora de Splash e colunista de Universa).
Convidadas: Yara Achoa (maratonista), Suelen Naraísa (surfista) e Ellen Valias (criadora do perfil @atletadepeso).