PUBLICIDADE

Topo

Mulher é morta a facadas; ex-marido suspeito estava em porta-malas do carro

Micheli de Paiva Lima Goulart foi esfaqueada após sair de festa em Limeira (SP) - Acervo pessoal
Micheli de Paiva Lima Goulart foi esfaqueada após sair de festa em Limeira (SP) Imagem: Acervo pessoal

Felipe de Souza

Colaboração para Universa, em Campinas (SP)

20/10/2020 15h14Atualizada em 20/10/2020 20h57

A Polícia Civil de Limeira (SP) prendeu no final da tarde de hoje um homem suspeito de matar a ex-mulher a facadas em uma festa. Alex Sandro Ribeiro da Silva, 39 anos, teria matado Micheli de Paiva Lima Goulart, 24 anos, porque não aceitava o fim do relacionamento. Uma testemunha disse que ele havia se escondido no porta-malas de um carro para cometer o crime no evento.

Policiais que atenderam a ocorrência relataram que Micheli e amiga, de 39 anos, estavam em uma festa no Bairro dos Loiolas. Após o fim da programação, foram em direção ao carro da colega, um Chevrolet Corsa, quando foram surpreendidas por Alex Sandro, que saiu do veículo já fazendo ameaças e dizendo que ia matar a ex.

Micheli foi atingida pelo menos sete vezes, no pescoço, no peito e nos braços. Na sequência, o homem começou a se afastar.

Universa conversou com a testemunha, que pediu para não ser identificada. Ela conta que a mãe de Micheli ouviu a filha ser esfaqueada. "Ele gritava que, se não fosse ficar com ele, não ficaria com mais ninguém. Aí ele voltou e esfaqueou ela mais algumas vezes. Depois, falou que, se ela não morresse, voltaria para 'terminar o serviço'", disse.

Corsa Limeira - Divulgação - Divulgação
Alex Sandro Ribeiro da Silva saiu de um Chevrolet Corsa (foto) antes de esfaquear a ex-mulher
Imagem: Divulgação

A amiga da jovem, de acordo com o boletim de ocorrência, ainda tentou tirar Alex de cima da vítima, em vão. A Polícia Militar foi acionada e encontrou a mulher com as mãos ensanguentadas.

A mãe de Micheli, Maria Neli Ferreira de Paiva, 42 anos, conversou rapidamente com a reportagem. Ainda muito chocada e abalada com o que aconteceu, confirmou que ouviu os gritos de socorro da filha, e entrou em desespero. "Não consegui fazer mais nada, fiquei paralisada. Foi horrível", disse.

A investigação

A prisão de Alex Sandro aconteceu em uma área de mata próxima ao local do crime. Até um drone foi utilizado na operação, que contou com integrantes da DIG (Delegacia de Investigações Gerais) e da DDM (Delegacia de Defesa da Mulher). Ele confessou o crime, e disse que não aceitava o fim do relacionamento de três anos.

Micheli se separou há cerca de dois meses. Segundo o depoimento da amiga à Polícia Civil, ele era muito agressivo e violento. A jovem chegou a contar que tinha medo de encontrar com Alex Sandro na rua, e ia registrar um boletim de ocorrência.

Levado à sede da DIG, o homem contou que sabia que o porta-malas do carro da amiga de Micheli estava quebrado, por isso entrou no veículo enquanto elas estavam na festa.

O caso foi registrado como feminicídio na Delegacia de Limeira. O corpo de Micheli será enterrado amanhã, às 16h, no Cemitério Parque.