PUBLICIDADE

Topo

Mães e filhos

Casal dos EUA ganha nove filhos em três anos, e mãe descreve: 'É caótico'

Maxine e Jake Young adotaram quarteto em 2018, mesmo ano do nascimento de filho - @maxinelee_y/Instagram
Maxine e Jake Young adotaram quarteto em 2018, mesmo ano do nascimento de filho Imagem: @maxinelee_y/Instagram

De Universa, em São Paulo

07/10/2020 16h21

Sua vida mudou muito nos últimos três anos? A de Jake e Maxine Young mudou. De 2017 para cá, o casal norte-americano ganhou nove filhos.

Em entrevista à revista People, Maxine, de 30 anos, conta que ela e o marido sempre quiseram uma família grande. Por isso, em julho de 2017, um ano após se casarem, começaram a conversar sobre a possibilidade de adotar filhos.

No final daquele mesmo mês, receberam um telefonema de autoridades tutelares da Pensilvânia, onde moram, sobre a possibilidade de adotarem provisoriamente três crianças.

"Tínhamos dito originalmente que adotaríamos até duas crianças, mas eles nos chamaram com uma de quatro anos, uma de dois e outra de 11 meses", lembra Maxine. "Eu pensei: 'Acho acho que devemos fazer isso, acho que devemos aceitá-los'", acrescentou.

Em agosto, após a chegada dos três primeiros, o casal recebeu um telefonema para adotar provisoriamente mais um filho: uma bebê, irmã do trio, que estava em uma UTI neonatal.

"Fomos de zero para quatro (filhos) em menos de um mês. Foi ótimo, e definitivamente caótico", contou a jovem mãe.

Veio o começo de 2018 e Maxine descobriu que estava grávida. A notícia foi recebida com festa na família, já que ela havia sofrido dois abortos e vinha tentando engravidar mediante tratamentos de fertilização. Desta vez, a gestação foi bem-sucedida, e o filho Henry nasceu em outubro de 2018.

Pouco antes do parto, porém, Jake e Maxine foram informados que os pais biológicos dos quatro primeiros filhos teriam que colocá-los para adoção, após não comparecerem a visitas agendadas.

"Quando as visitas cessaram, era basicamente como se já fôssemos uma família. Então, sabíamos que o caso iria para a adoção", contou Maxine. Então, em 20 de dezembro de 2018, com direito à presença dos avós biológicos das crianças, o casal se tornou legalmente pais de Aiden, Parker, Connor e Elliott.

Com os cinco primeiros filhos, veio mais uma surpresa no começo de 2020: uma nova gravidez. Exames posteriores mostraram que o casal esperava quatro filhos - contra uma previsão inicial de três. Os familiares do casal decidiram então fazer um campanha de arrecadação online para ajudar nas despesas.

"Eu me lembro claramente disso, porque lembro de dizer: 'E se houver mais um bebê?' Era uma brincadeira", conta a mãe. "E ela (a médica) olhou para mim e disse: 'Maxine, há mais um bebê aí"."

Maxine se disse animada, mas "muito nervosa" por se tratar de uma gestação de alto risco. A gravidez não foi planejada, e ela ainda sofre de SOPC (Síndrome do Ovário Policístico). Mesmo diante de recomendações médicas para abortar dois dos fetos, o casal optou por levar a gestação dos quadruplos até o final.

Em julho de 2020, os quatro bebês nasceram prematuramente: Theo, Silas, Beck e Cecilia. Todos permaneceram em uma UTI neonatal até que pudessem ser liberados em agosto. Hoje, todos estão em casa - e os pais não imaginam a vida de outro jeito.

Maxine e quádruplos - @maxinelee_y/Instagram - @maxinelee_y/Instagram
No começo de 2010, Maxine soube de nova gravidez; depois, descobriu que esperava quádruplos
Imagem: @maxinelee_y/Instagram

"Ver nossos filhos mais velhos segurando nossos filhos mais novos é definitivamente bonito, mas também é caótico. E com a covid-19, temos todos nossos filhos em casa", contou Maxine.

Mães e filhos