PUBLICIDADE

Topo

Retratos

Instantâneos de realidade do Brasil e do mundo


Retratos

Em busca de igualdade, 100 mulheres DJs se unem para criar canal de música

Uh! Manas.tv: a DJ Carlu apresenta Mulheres na Cultura do Vinil - Divulgação
Uh! Manas.tv: a DJ Carlu apresenta Mulheres na Cultura do Vinil Imagem: Divulgação

Heloisa Aun

Colaboração para Universa

29/09/2020 04h00

Um canal com programação totalmente composta por mulheres em busca de equidade, espaço e reconhecimento na cena musical. Foi com essa intenção que nasceu o Uh! Manas.tv em julho deste ano, interessado em reverter a lógica de um mercado dominado por homens e que, muitas vezes, exclui as DJs dos line-ups de festas, mesmo no caso das virtuais. Em cerca de dois meses, o projeto já uniu aproximadamente 100 artistas e produtoras, além de transformar as noites e madrugadas de isolamento social de seu público.

Por meio da plataforma gratuita Twitch.tv, a iniciativa conecta mulheres de todo o Brasil e de outros países do mundo, tornando o ambiente virtual um lugar de trocas musicais e empoderamento. O canal reúne 12 horas de programação diária, com a participação de diferentes DJs e muita música. Todos os programas são idealizados, dirigidos e tecnicamente produzidos por cada uma das integrantes. No entanto, a discotecagem é uma parte da potência do projeto, que ainda conta com bate-papos diversos sobre cultura, feminismo, política e outros assuntos urgentes na sociedade.

"A reparação histórica é o que eu almejo e o que me motiva a dedicar minha força de trabalho para a comunidade. O combate ao machismo se encontra justamente em promover representatividade e criar uma nova realidade possível. Também honrar os caminhos que foram abertos por quem veio antes de nós e continuar abrindo caminhos para quem virá depois", afirma a produtora cultural Paula Chiaretti, coidealizadora do Uh! Manas.tv.

Mulheres, DJs, mães, artistas, produtoras e empreendedoras. Os múltiplos perfis do grupo fazem ser possível a luta coletiva por maior visibilidade. Segundo Paula, o grande intuito é formar um local permanente de valorização e registro histórico das pesquisas, trabalhos e criações de DJs, beatmakers, musicistas, cantoras, produtoras musicais e culturais, jornalistas, técnicas e toda a estrutura que é sustentada através da resistência das "manas".

Das pistas para o mundo digital

Em um cenário de pandemia, a maioria das festas e shows migrou para a internet, e a plataforma Twitch, conhecida por streaming de gamers, virou "palco" para esses eventos digitais. Foi questão de poucos dias para a desigualdade de gênero existente nas pistas também se mostrar presente nas transmissões. "No primeiro line-up que tomamos conhecimento, dentre os 14 nomes, apenas um deles era de uma DJ mulher. A partir daí nós começamos a nos organizar para lançar o movimento", conta Paula.

Uma conversa de mais de oito horas, via Zoom, foi o bastante para que as idealizadoras tirassem o projeto do papel. De nove "manas" — Tata Ogan, Carlu, Paula Chiaretti, MaryG, Lela Lima, Milena Camilotti, Iasmin Ribeiro, Rafa Jazz e Julia Weck —, hoje o canal já passa de uma centena de pessoas, entre artistas e produtoras. E o Uh! Manas.tv não planeja parar. "A ideia é somar uma maior quantidade de mulheres, sem hierarquia e com senso de comunidade. Tudo é criado coletivamente", diz a produtora musical e DJ Tata Ogan.

De acordo com a DJ e jornalista De Schw, o trabalho da equipe é dividido entre produção, comunicação e design. "Temos produtoras locais online em cada dia da programação. Assim conseguimos organizar o line-up e dar todo o suporte necessário durante a transmissão", explica. Também são organizadas reuniões semanais para decidir a grade de discotecagem, receber as novas integrantes e discutir outros pontos importantes para o andamento da rede.

Todos os dias entram participantes no coletivo, que se dividem entre programações fixas, semanais, quinzenais e esporádicas, com base em suas realidades e condições técnicas. "A parte financeira e de acesso é um fator expressivo da desigualdade que colabora para o afastamento e apagamento das nossas carreiras", ressalta Paula.

Apesar dos entraves, já há artistas e produtoras de mais de 12 estados brasileiros e de seis países na iniciativa. "Foi feito no 'boca a boca' mesmo, cada uma de nós convidando outras manas", pontua.

Revolução e mulheres no topo

Para a DJ e editora de vídeos Lela Lima, a escolha da plataforma como foco do projeto teve relação íntima com as circunstâncias do momento. "Desde o início, precisávamos de um lugar de resistência e acolhimento para nos expressar e demonstrar a força das mulheres na música e na vida", destaca ela, que também é idealizadora do projeto.

Porém, a batalha por equiparar as perspectivas da produção independente e discotecagem feminina está somente no início e não acabará com o fim da quarentena.

Como acrescenta Paula, o Uh! Manas.tv quer garantir, no futuro, a sustentabilidade financeira de sua grade mensal, produzir os próprios festivais, tanto online como presencial (quando for seguro), conquistar oportunidades na música para as profissionais, colaborar com a formação de mulheres por meio do conhecimento dentro do próprio coletivo e deixar registrado o trabalho de todas para que o apagamento de suas produções deixe de ser uma prática recorrente.

O movimento, que nasceu com uma força e o desejo de articulação, deseja inspirar cada vez mais mulheres. "Construímos tudo isso a partir de uma inquietação e revolta por continuarem tirando o direito que temos de ocupar um espaço que é nosso", evidencia.

Já Lela Lima enfatiza que a iniciativa espera criar um canal que acolha e compreenda as necessidades de expressão feminina. "O que vem depois disso, apesar de despretensioso, o tempo irá dizer. Mas já estamos construindo nossa revolução. Mulheres no topo!", diz.

Retratos