PUBLICIDADE

Topo

Sexo

Óleo de coco: por que ginecologistas estão indicando o produto para o sexo?

O óleo de coco pode funcionar como um lubrificante natural  - iStock
O óleo de coco pode funcionar como um lubrificante natural Imagem: iStock

Heloísa Noronha

Colaboração para Universa

26/09/2020 04h00

Bastante adotado na culinária, em saladas e em sucos, e nos cuidados com a pele e com o corpo, o óleo vegetal de coco também vem sendo recomendado, quem diria, por médicos. Segundo vários ginecologistas, o produto é ótimo, principalmente, para as mulheres e pode ajudar bastante na vida sexual.

Mas atenção: os médicos aconselham a comprar o óleo de coco 100% natural extravirgem, que é fresco e puro, e mantê-lo numa temperatura ambiente (por volta de 25º). Uma dica primordial: sempre ler o rótulo e observar se o óleo de coco é mesmo o único ingrediente do produto. E pessoas alérgicas a coco não devem adotar o óleo no sexo. O contato com mucosas como lábios e genitais também pode causar reação.

Veja os benefícios do óleo de coco para o sexo

Uso como lubrificante
Ao contrário das versões industrializadas à base de água, o óleo de coco funciona como um lubrificante natural livre, por exemplo, de ativos como o poliglicol. Os industriais têm uma durabilidade média e geralmente exigem uma reaplicação durante durante uma relação sexual mais prolongada. Já o óleo de coco mantém, literalmente, a oleosidade por mais tempo, minimizando o atrito do pênis sem prejudicar as sensações de prazer. Ah, a ação vale tanto para penetração vaginal quando anal.

É ótimo para as preliminares
Por deslizar com suavidade, o óleo de coco é um aliado e tanto para um massagear ou masturbar o outro. Inclusive, facilita os movimentos e toques em regiões sensíveis, como o clitóris, os mamilos e a glande. Ainda deixa a pele macia, por conter umectantes e potentes antioxidantes, como os triglicérides de cadeia média, e tem um sabor suave para a prática do sexo oral.

Por ser natural, não contém substâncias químicas ou sintéticas que possam afetar o pH da vagina. Além disso, o óleo de coco tem ação bactericida e e antifúgica. Por isso, diminui o risco de infecções vaginais como a candidíase. Em casos menos complicados, pode aliviar fissuras e controlar de infecções fúngicas. Isso se deve aos ácidos lauríco e caprílico presentes no coco.

Recomendações importantes

Não deve ser usado com preservativos de látex

Alguns estudos ainda não conclusivos têm observado que o óleo de coco pode provocar microporosidades nas camisinhas produzidas com esse material, aumentando o risco de rompimento e de ISTs (Infecções Sexualmente Transmissíveis). A alternativa segura é a de usar preservativos de poliuretano, normalmente vendidos como preservativos antialérgicos sem látex.

Não é compatível com determinados sex toys

É importante ler com atenção as orientações do fabricante do brinquedo erótico. Alguns - como anéis penianos, bonecos infláveis e certas roupas - são fabricados com látex e podem estragar. O mesmo vale para vibradores e bullets feitos de silicone. Também não é indicado misturá-lo a cosméticos sensuais, sob o risco de perder o efeito hidratante.

Fontes consultadas: Ana Carolina Lúcio Pereira, ginecologista e sócia-fundadora da Clínica Fada, em São José dos Campos (SP); Antonio Pera, ginecologista e obstetra da Clínica Pera, em São Paulo (SP); Caroline Alexandra Pereira, ginecologista e obstetra da Clínica Viváter, de São Paulo (SP); Débora Ramos Rosa, médica especialista em ginecologia natural, e Lilian Fiorelli, ginecologista especialista em sexualidade feminina e uroginecologia pela USP (Universidade de São Paulo).

Sexo