PUBLICIDADE

Topo

Sexo

É possível garantir que há química sexual mesmo sem fazer sexo?

Casais com boa afinidade podem não se dar bem na cama - conttonbro/Pexels
Casais com boa afinidade podem não se dar bem na cama Imagem: conttonbro/Pexels

de Universa

21/09/2020 04h00

Em tempos de aplicativos de encontros e de relacionamentos casuais, fazer sexo antes do casamento nunca foi tão fácil e comum. No entanto, algumas pessoas ainda preferem se guardar para sua alma gêmea, seja se mantendo virgem (caso de 35% dos brasileiros que consideram o sexo antes do casamento inaceitável, segundo pesquisa do instituto Pew Research Center), seja tentando resgatar a virgindade perdida. É nisso que acreditam os integrantes do "Eu Escolhi Esperar". O movimento evangélico, cujos eventos já reuniram mais de 500 mil jovens de todo o Brasil, defende o resgate da pureza nos relacionamentos, mesmo para pessoas que não sejam mais virgens.

É o caso da secretária-executiva Carla Duarte, 33, coordenadora do "Eu Escolhi Esperar" no Rio de Janeiro, que contou sua história ao podcast Sexoterapia (veja o depoimento completo no vídeo acima). Ela acredita que essa espera pode trazer uma vida sexual mais feliz no futuro e fortalecer o relacionamento. "Entendi a importância de conhecer a pessoa, de criar uma conexão emocional com ela, uma amizade, uma série de coisas que precisam ser avaliadas antes de ter uma relação sexual", afirma Carla, que busca um parceiro com a mesma visão sobre sexo e relacionamento.

A sexóloga Ana Canosa, apresentadora do podcast, diz que, de fato, algumas pesquisas mostram que casais que compartilham os mesmos valores e crenças têm uma comunicação melhor, o que pode ajudar na manutenção do relacionamento. "Por outro lado, sabemos que é preciso desenvolver uma linguagem, inclusive corporal, para a satisfação sexual", contrapõe. Segundo Ana, é um risco grande se casar com alguém sem testar essa conexão.

Encaixe x prática

Ana explica que existem dois grandes conceitos de sexualidade: a química sexual ("é o encaixe da pele, do beijo, uma coisa que a gente não explica, mas que dá certo") e a habilidade sexual (que é aquilo que dá para desenvolver junto, com a prática). "É muito possível que um casal tenha diversas afinidades, mas não se de bem sexualmente", afirma.

Carla discorda. Para ela, é impossível não existir conexão sexual com a pessoa que se ama e se escolheu para passar a vida. "Eu acho que sexo vai além da química, é uma construção, tem a ver com cumplicidade, amizade, intimidade e honra". Ela acredita que um casal que se conheceu e teve tempo pra conversar, inclusive sobre sexo, vai ser maduro o suficiente para um ajudar o outro a se conhecer e chegar ao orgasmo. "É uma construção que talvez seja até mais prazerosa."

Para Saber Mais

  • Livro: Tire suas Dúvidas sem Tirar a Roupa, Nelson Junior e Angela Cristina, editora Quatro Ventos.
  • Séries: Brincando com Fogo (Netflix), Sex Education (Netflix), Explicando o Sexo (Netflix).
  • Filme: Hoje eu Quero Voltar Sozinho (2014), Daniel Ribeiro.

Acompanhe o Sexoterapia

Swing é o tema do vigésimo sexto episódio do podcast Sexoterapia, que em sua quarta temporada vai mergulhar na história de uma única personagem.

Sexoterapia vai ao ar às sextas-feiras e está disponível no UOL, no Youtube de Universa e nas plataformas de podcasts, como Spotify, Apple Podcasts, no Castbox e Google Podcasts. A quarta temporada tem oito episódios.

Sexo