PUBLICIDADE

Topo

Menina de 10 anos está 'aliviada' e quer 'recuperar sua vida', diz médico

8.mai.2018 - O obstetra Olímpio Moraes, médico pernambucano que realizou aborto em menina de 10 anos do ES - Teresa Maia/UOL
8.mai.2018 - O obstetra Olímpio Moraes, médico pernambucano que realizou aborto em menina de 10 anos do ES Imagem: Teresa Maia/UOL

De Universa, em São Paulo

17/08/2020 14h09

O médico Olímpio Barbosa de Moraes Filho, diretor do hospital em Recife onde a menina de 10 anos do Espírito Santo realizou aborto após engravidar como resultado de estupro, disse à Globo News que ela está se sentindo "aliviada" após o fim do procedimento.

Ela está bem aliviada. O sofrimento nesses últimos dias foi terrível, as ameaças que ela sofreu. Eu espero que esse sofrimento daqui para a frente seja atenuado, e vai depender muito de como o caso vai ser conduzido, respeitando o sigilo, para que ela possa recuperar a sua vida."
- Dr. Barbosa de Moraes Filho sobre paciente após procedimento de aborto

Mais cedo, ao Bom Dia ES, o médico contou que a menina estava em um quarto com a avó e uma assistente social. Ele elogiou a equipe do hospital, citando especialmente os profissionais que faziam a acompanhamento psicológico da paciente.

O Dr. Barbosa criticou também o vazamento do nome da menina e do hospital onde seria tratada — informações divulgadas pela militante de extrema direita Sara Winter, pelo Twitter.

Neste caso houve uma [segunda] violência, que foi a quebra do sigilo da identidade da criança, e isso não deve acontecer. Temos que proteger a criança. Ela tem um futuro de vida pela frente, não pode ser exposta."
- Dr. Barbosa de Moraes Filho critica vazamento da identidade da menina

Ética médica

O doutor falou ainda sobre a recusa dos médicos do Huscam (Hospital Universitário Cassiano Antônio Moraes), do Espírito Santo, em realizar o procedimento. Os profissionais alegaram que não tinham protocolo para interromper uma gravidez avançada como a da menina.

O código de ética médico permite a objeção de consciência verdadeira, isso acontece. Mas ele [o médico] tem a obrigação também de não inviabilizar o direito a saúde. Deve ser dada uma opção, não pode ser negada."
- Dr. Barbosa de Moraes Filho esclarece questão de ética quanto ao aborto

O médico comentou também que a "consciência" de um profissional de saúde muda com o tempo. "A gente vai entendendo o sofrimento, mudando o pensamento, e faz parte do crescimento humano. Quando você tem acesso, vê na prática o que é esse sofrimento, você muda", disse.

'Ato de tortura'

Para o Dr, Barbosa e sua equipe, manter a gravidez de uma criança contra a sua vontade e a vontade da família seria "um ato de tortura". "Colocaria em risco a vida da paciente, ou no mínimo a sua saúde mental", definiu.

Infelizmente, o estupro é muito comum no Brasil, e, mais triste ainda, com crianças. Lamento muito que muitas pessoas não tenham acesso a informação. Então tem crianças sendo violentadas, engravidando e levando a gravidez até o termo. Muitas vezes só ficamos sabendo [por causa] de complicações. É sabido também que a principal causa de suicídio em adolescentes é a gravidez indesejada."
- Dr. Barbosa de Moraes Filho relata casos que atende em hospital