PUBLICIDADE

Topo

Justiça autoriza aborto de menina de 10 anos que engravidou após estupro

Jovem foi atendida no Hospital Estadual Roberto Silvares, em São Mateus (ES), onde médicos desconfiaram da gravidez - Divulgação/Secretaria de Saúde do Espírito Santo
Jovem foi atendida no Hospital Estadual Roberto Silvares, em São Mateus (ES), onde médicos desconfiaram da gravidez Imagem: Divulgação/Secretaria de Saúde do Espírito Santo

Lucas Rezende

Colaboração para Universa, em Vitória (ES)

15/08/2020 20h44Atualizada em 16/08/2020 17h43

A Justiça do Espírito Santo autorizou que a criança de 10 anos, grávida de três meses após ser estuprada pelo tio, interrompa a gravidez.

A informação foi confirmada ao UOL por duas fontes que não quiseram se identificar: uma amiga da família e uma autoridade política de São Mateus, cidade em que mora a criança. O jornal A Gazeta também conseguiu confirmar a autorização.

A decisão é do juiz Antônio Moreira Fernandes, a partir de pedido do Ministério Público Estadual (MP-ES). O magistrado atua na Vara da Infância e da Juventude de São Mateus. À reportagem, a assessoria de imprensa do órgão disse que o promotor responsável pelo caso não vai comentar o andamento processual.

O Tribunal de Justiça capixaba já havia dito ao UOL, por meio de nota, que "influências religiosas e morais" não definiriam o futuro da gestação.

A lei brasileira permite que um aborto seja realizado por meio do serviço público de saúde no caso de a gravidez ser resultado de um estupro, assim como nas situações de risco para a mãe ou de anencefalia do feto - justamente o que o magistrado levou em consideração.

Entenda o caso

Uma criança de 10 anos foi estuprada e engravidou. O tio, de 33 anos, foi indiciado pelo crime. De acordo com a PC-ES (Polícia Civil do Espírito Santo), a criança era vítima de estupros havia quatro anos, e o caso chegou ao conhecimento da polícia no dia 8 deste mês, quando ela deu entrada num hospital público da cidade de São Mateus, a 220 km de Vitória, com suspeita de gravidez.

A menina chegou ao Hospital Estadual Roberto Silvares acompanhada de uma parente. Os médicos notaram que a barriga estava maior que o usual e realizaram um exame de gravidez, que deu positivo.

O delegado responsável pelo caso informou que o tio da criança foi indiciado por estupro de vulnerável e ameaça, ambos praticados de forma continuada. Somadas, as penas podem ultrapassar 15 anos de prisão. Ele está foragido. Buscas foram feitas na Bahia, onde o homem possui parentes, sem sucesso.