PUBLICIDADE

Topo

Violência contra a mulher

Atriz diz não conseguir perdoar avó por acobertar abusos: 'Nunca fez nada'

Melody Thomas Scott contou que os abusos eram feitos por um homem de uma companhia de teatro - Paul Archuleta
Melody Thomas Scott contou que os abusos eram feitos por um homem de uma companhia de teatro Imagem: Paul Archuleta

De Universa, em São Paulo

12/08/2020 11h46

A atriz norte-americana Melody Thomas Scott, conhecida nos Estados Unidos por sua participação na novela "The Young and the Restless", disse não conseguir perdoar a avó, que já morreu, por acobertar abusos sexuais contra ela quando era criança.

Ao site norte-americano PageSix, ligado ao jornal New York Post, Scott contou que os abusos eram feitos por um homem, que também já morreu, de uma companhia de teatro que ela fazia parte quando criança.

"Lembro-me de quando isso (abusos sexuais) começou a acontecer: eu tinha quatro anos e mal sabia que isso era errado, e ela (sua avó) estava sentada a cerca de um metro de distância (dos acontecimentos)", disse.

"Eu olhei para ela e tenho certeza que meus olhos estavam claramente dizendo isso: 'Você vê isso? Você vai vai fazer nada para isso acabar?' E ela nunca fez nada", recordou.

Hoje aos 64 anos, Scott disse que não foi - e ainda não é - capaz de perdoar a avó por acobertar os abusos cometidos por aquele homem da companhia de teatro que, segundo relatou, pedia para que ela ficasse sentada em seu colo de forma maliciosa.

"Não estou pronta para isso (perdoá-la), e também não sei se algum dia estarei, porque quando eles (adultos) estão cientes, eles se tornam cúmplices, e isso para mim é péssimo", afirmou.

Segundo a atriz, sua avó era uma pessoa "excessivamente ambiciosa" e que acreditava que qualquer expediente poderia ser tomado para um rápido sucesso profissional.

Melody Thomas Scott está prestes a lançar um livro sobre sua carreira nos Estados Unidos. Intitulado "Always Young and Restless" (sem tradução para o português), a publicação deve estar disponível nos EUA a partir da próxima terça-feira (18).

Violência contra a mulher