PUBLICIDADE

Topo

Mães e filhos

Romana Novais diz que filho Ravi não quer mais peito: 'Serei fonte de amor'

Médica diz chorar de saudade da amamentação, mas relata ter se sentido egoísta por insistir: "Só quem passou entende" - Reprodução/Instagram
Médica diz chorar de saudade da amamentação, mas relata ter se sentido egoísta por insistir: "Só quem passou entende" Imagem: Reprodução/Instagram

De Universa, em São Paulo

06/08/2020 17h07Atualizada em 06/08/2020 18h38

Romana Novais fez um longo relato sobre o processo de amamentação de seu filho Ravi, o primeiro com o DJ Alok, e desabafou sobre o fato de o bebê não querer mais mamar no peito. A médica contou que os "momentos difíceis" começaram depois dos três meses e que lhe doía ver o filho chorando enquanto sua produção de leite não acompanhava a demanda dele.

"Ele chorava demais, e eu também. Durante o dia tudo fluía, mas à noite [amamentar] se tornava um pesadelo. Me doía demais vê-lo chorando, e pensar que poderia ser fome... Me sentia egoísta de insistir. Um mix de emoções que só quem já passou consegue me entender", escreveu ela em uma rede social.

Logo que nasceu veio p/ meu colo, curtimos nossa golden hour num momento tão nosso, que eu não lembro de mais nada a não ser eu e ele ali conectados. Ele veio direto p/ meu peito me ensinar como seria o jeitinho dele. Ravi teve uma pega fácil, não demoramos muito a aprender juntos. Mas apesar de muito delicado p/ mamar eu senti muita dor afinal era um atrito que eu não estava acostumada. Nos primeiros dias lágrimas escorriam quando ele mamava, doía demais. Na primeira semana eu fiz laser no bico do peito e isso ajudou bastante na cicatrização. Não tive fissuras, mas por conta do atrito recente estava bem dolorido. Fiz compressa de chá de camomila também. Com uma semana já estávamos lidando bem com a amamentação. Ravi ganhava peso nos mostrando que tudo estava fluindo bem. Até os 3 meses mamou exclusivo e aí foi quando começamos a ter momentos difíceis. Ele chorava demais a noite e eu percebi que minha produção não estava acompanhando o ritmo e demanda dele. Ele chorava demais, e eu também. Durante o dia tudo fluía mas a noite se tornava um pesadelo. Insisti por um tempo e após perceber que ele não estava mais ganhando peso como o habitual decidimos entrar com complemento somente a noite pq não estava mais me sentindo confortável. Me doía demais ver ele chorando, e pensar que poderia ser fome então... me sentia egoista de insistir. Um mix de emoções que só quem já passou consegue me entender. Estava muito cansada de viver noites como aquelas. Então durante o dia continuávamos nas mamadas, e a noite, apenas uma mamada eu substituia pela fórmula. Assim ficamos durante um bom tempo. Consegui respirar, vi ele bem, estava fluindo... e nesse meio tempo descobri que estava grávida. (Engravidei quando o Ravi tinha 3 meses)... Adoraria fazer parte da % das mães que conseguiram gestar e amamentar ao mesmo tempo. Mas infelizmente não consegui. Estava muito ansiosa, minha produção foi diminuindo cada vez mais e aos poucos fui substituindo mamadas por fórmula. Ah! Por aqui consegui comprovar que o leite materno muda de gosto quando engravida. O meu estava muito diferente mesmo e o Ravi não se adaptou a essa mudança do meu corpo. (Continua nos comentários)

Uma publicação compartilhada por Romana Novais Achkar Petrillo (@romananovais) em

Romana relatou que se sentia muito cansada e começou a substituir as mamadas da noite pela fórmula. A alternativa funcionou durante um tempo — mas a médica logo descobriu que estava grávida de seu segundo filho.

"Adoraria fazer parte da porcentagem de mães que conseguiram gestar e amamentar ao mesmo tempo. Mas infelizmente não consegui. Estava muito ansiosa, minha produção [de leite] foi diminuindo cada vez mais. Ah, por aqui consegui comprovar que o leite materno muda de gosto quando engravida. O meu estava muito diferente, e Ravi não se adaptou a essa mudança do meu corpo."

Ao final do desabafo, ela revelou que Ravi, agora aos sete meses, não mama mais no peito. Romana, que disse estar confortável em falar sobre o assunto, reconhece o esforço que fez nos últimos meses e tem consciência do quanto sofreu quando as coisas não aconteceram como ela esperava.

Ela ainda contou que amou amamentar, momento em que sentiu "uma das conexões mais fortes" com Ravi.

"Escrevendo aqui eu choro... Mas é um choro de saudade. De ver os olhinhos dele vidrados em mim, acariciando o meu peito ou fazendo carinho nele mesmo. Jeitinho único Ravi de ser. Bom, eu não sou mais a fonte de alimento dele, mas para sempre serei fonte de amor, carinho cuidado", concluiu.

Mães e filhos