PUBLICIDADE

Topo

Universa

Feminicídio aumenta 68% em MT no primeiro semestre de 2020

Foram registrados 32 casos de feminicídios em MT até junho; somado aos homicídios dolosos, foram 46 mortes no estado tendo mulheres como vítimas - iStock
Foram registrados 32 casos de feminicídios em MT até junho; somado aos homicídios dolosos, foram 46 mortes no estado tendo mulheres como vítimas Imagem: iStock

Do Universa, em São Paulo

03/08/2020 13h44

Mato Grosso registrou um aumento de 68% no número de feminicídios no primeiro semestre deste ano. Foram 32 mulheres vítimas do crime, contra 19 no mesmo período em 2019. Somado aos homicídios dolosos, foram 46 mortes envolvendo mulheres no estado.

Os dados foram divulgados hoje pela Sesp-MT (Superintendência do Observatório de Violência da Secretaria de Estado de Segurança Pública) e abrangem os seis primeiros meses do ano, boa parte deles, em um contexto de pandemia e isolamento social.

Os números ainda podem sofrer alterações na medida em que as investigações apontem outras motivações para o crime quando finalizadas.

Quanto aos homicídios dolosos contra mulheres, houve uma redução de 46%. Neste ano, foram 14 casos nos seis primeiros meses, contra 26 em 2019. Foram 46 crimes no total tendo as mulheres como vítimas (por todas as motivações), um a mais do que os ocorridos no mesmo período do ano passado.

A maioria dos outros crimes contra a mulher apresentou redução nos índices. As queixas de ameaças (8.644 registros) tiveram uma queda de 15% em relação a 2019. Já crimes porr lesão corporal somaram 4.506 denúncias, uma redução de 11% em relação a 2019.

Outros crimes contra a mulher levantados pela Sesp-MT foram: injúria (2.436 casos, redução de 17%), difamação (1.242 casos e redução de 29%), calúnia (750 casos e redução de 20%), perturbação de tranquilidade (417 casos e redução de 29%) e violação de domicílio (420 casos e redução de 7%).

O número de estupros também diminuiu, 5%. No primeiro semestre de 2019 foram 188 estupros, contra 179 entre janeiro e junho de 2020. Já o estupro de vulnerável apresentou aumento de 30%, passando de 20 casos no ano passado para 26 ocorrências neste ano.

Universa