PUBLICIDADE

Topo

Sexo

Deborah Secco: 'Acho louco que ainda seja um tabu você falar que faz sexo'

Deborah Secco ainda disse que se define como feminista, ainda mais após dar à luz a sua primeira filha, Maria Flor - Reprodução/Instagram
Deborah Secco ainda disse que se define como feminista, ainda mais após dar à luz a sua primeira filha, Maria Flor Imagem: Reprodução/Instagram

De Universa, em São Paulo

24/07/2020 11h13

A atriz Deborah Secco afirmou que está impressionada em ver como o sexo "ainda seja um tabu", após a repercussão de sua fala sobre transar mais de 10 vezes por dia com o marido, o também ator Hugo Moura, no início do relacionamento.

"Foi uma afirmação tão banal, comum. Acho louco que em 2020 ainda seja um tabu você falar que faz sexo com seu marido, o pai da sua filha. Real­men­te, não entendo", disse a atriz em entrevista publicada hoje pela revista Veja.

Deborah também falou que as pessoas não dizem a verdade ao falarem de diversos assuntos, até mesmo o sexo, devido a tantos julgamentos na sociedade.

"Não é só com o sexo [que as pessoas não falam a verdade], mas com tudo. Há julgamento, patrulha da vida alheia e a cobrança para ser o que esperam de você. As mães transam ou será que ainda é a cegonha? Não existe vida sem sexo", ponderou a atriz que é mãe de Maria Flor, de 4 anos.

A atriz ainda comentou que é difícil voltar a vida sexual após a maternidade porque a rotina cansativa interfere demais.

"Eu, com o fim do resguardo, estava louca para voltar à ativa, mas a rotina é exaustiva. E a vida sexual não fica igual. Mas com o tempo a gente se reinventa, e a coisa volta ao normal."

Deborah aproveitou para falar de feminismo na entrevista e relembrou que já sofreu "abusos machistas", sem dar detalhes sobre em quais situações esses abusos teriam ocorrido.

"Sim [me defino como feminista], ainda mais agora, que virei mãe. Como todas as mulheres, fui subjugada e sofri abusos machistas. Quero que minha filha se ponha em primeiro lugar, que seja o que quiser ser e que saiba que seus desejos são legítimos e que nada é feio ou errado", explicou.

Sexo