PUBLICIDADE

Topo

Direitos da mulher

Deputado pede 'desculpas pelo mal-entendido' após chamar colega de 'vadia'

"Não vou ensinar às minhas sobrinhas e aos jovens assistindo que isso é um pedido de desculpas", afirmou Alexandria Ocasio-Cortez - Getty Images
"Não vou ensinar às minhas sobrinhas e aos jovens assistindo que isso é um pedido de desculpas", afirmou Alexandria Ocasio-Cortez Imagem: Getty Images

De Universa, em São Paulo

22/07/2020 20h43

O deputado republicano Ted Yoho se pronunciou hoje sobre as acusações de que teria chamado a democrata Alexandria Ocasio-Cortez de "vadia do caralho" nas escadarias do Capitólio, o prédio que abriga o congresso dos Estados Unidos.

Yoho negou ter dito as palavras, mas pediu desculpas "pelo mal-entendido" em pronunciamento na Câmara dos Deputados.

"Eu venho pedir desculpas pela conversa rude que tive com a minha colega de Nova York. É verdade que discordamos sobre política e visões para os Estados Unidos, mas isso não significa que devamos ser desrespeitosos", afirmou.

Um repórter do jornal The Hill afirmou ontem que ele murmurou o xingamento para si mesmo ao se retirar de uma discussão com Ocasio-Cortez, após dizer que a visão dela de que a pobreza e o desemprego estão relacionados com o aumento de crimes era "nojenta". Ele teria dito, ainda, que a deputada de oposição estava "maluca".

"Sendo casado há 45 anos e tendo duas filhas, sou muito consciente da minha linguagem. Os xingamentos ofensivos atribuídos a mim pela imprensa nunca foram ditos aos meus colegas. E se eles foram interpretados assim, peço desculpas pelo mal-entendido", afirmou o republicano.

Alexandria Ocasio-Cortez respondeu o pronunciamento no Twitter, dizendo que Yoho se recusa a assumir a responsabilidade:

"Republicano reage a chamar uma colega de 'nojenta' e 'vadia do caralho' com 'eu não posso pedir desculpas pela minha paixão', e culpando os outros. Eu não vou ensinar às minhas sobrinhas e aos jovens assistindo que isso é um pedido de desculpas, nem que eles devam aprender a aceitar isso. Yoho se recusa a assumir sua responsabilidade."

Direitos da mulher