PUBLICIDADE

Topo

Universa

Morre a filósofa María Lugones, referência do feminismo decolonial

Filósofa argentina María Lugones morreu aos 76 anos - Reprodução/Facebook
Filósofa argentina María Lugones morreu aos 76 anos Imagem: Reprodução/Facebook

De Universa, em São Paulo

15/07/2020 09h12

Morreu ontem a filósofa e ativista feminista argentina María Lugones, aos 76 anos de idade. A informação foi divulgada por um dos colegas de trabalho de Lugones, o filósofo Nelson Maldonado-Torres: "Uma verdadeira gigante nos deixou", ele publicou em sua conta no Facebook.

Torres compartilhou o rascunho mais recente, feito na segunda-feira, do parágrafo inicial de um volume sobre feminismo decolonial que estava sendo editado por ele, Lugones e um outro professor.

"Hoje ficamos sabendo que nossa amada irmã, amiga e camarada se foi... Que contribuição maciça ao mundo das ideias, à pedagogia, à irmandade radical e à camaradagem na luta contra a colonialidade em todas as suas dimensões e a colonialidade de gênero, mais especificamente."

"Seu trabalho continuará inspirando gerações e mantendo viva a chama da luta sustentada contra a colonização e a colonialidade."

Lugones é uma das referências máximas do pensamento sobre a colonialidade do conceito de gênero e suas implicações.

Neste ano, a intelectual foi contemplada pelo prêmio Frantz Fanon, da Associação Filosófica do Caribe, que premia filósofos caribenhos reconhecidos por sua contribuição intelectual ao longo da vida.

Universa