PUBLICIDADE

Topo

Vítima diz que ex-namorada de Jeffrey Epstein a estuprou "de 20 a 30 vezes"

Jeffrey Epstein e Ghislaine Maxwell em foto de 2005: ela é investigada por ser cúmplice do bilionário em casos de estupro e de tráfico sexual - Patrick McMullan via Getty Image
Jeffrey Epstein e Ghislaine Maxwell em foto de 2005: ela é investigada por ser cúmplice do bilionário em casos de estupro e de tráfico sexual Imagem: Patrick McMullan via Getty Image

De Universa

04/07/2020 12h51

Uma mulher revelou, em entrevista na noite de sexta-feira (3) à emissora americana Fox News, que foi estuprada mais de 20 a 30 vezes pela socialite Ghislaine Maxwell, ex-namorada de Jeffrey Epstein, bilionário condenado por estupro e tráfico sexual de mulheres, muitas delas menores de idade.

Ghislaine foi presa pelo FBI na quinta-feira (2), acusada de envolvimento com o esquema de crimes sexuais montado por Epstein, que morreu em agosto de 2019. "[Gislaine] Maxwell era sua parceira de negócios nisso. Ela fez isso com muitas meninas", disse a vítima.

"Ela me estuprou", cravou a mulher. "Eu diria que mais de 20 ou 30 vezes. Ela é estupradora. Ela destruiu o que deveria ser o melhor ano da minha vida, sendo uma adolescente, sendo uma líder de torcida", disse.

Na entrevista, ela conta que os estupros começaram quando tinha 14 anos e continuaram por dois anos, até ela ficar grávida de Epstein, aos 16, e ser obrigada a abortar.

A mulher afirmou que quer testemunhar perante a Justiça e revelar os detalhes dos abusos que sofreu. Da única vez que pensou em procurar a polícia antes, ainda aos 16 anos, disse ter sofrido um estupro coletivo, liderado por Ghislaine, como forma de punição e ameaça para que ficasse em silêncio.

Depois disso, foi jogada nua no quintal da casa dos avós por um homem armado que disse que, se ela ameaçasse denunciar Gislhaine e Epstein de novo, não continuaria viva.

Também na sexta-feira (3), o advogado que representa 12 vítimas de Epstein, Spencer Kuvin, disse ao jornal britânico Daily Mail que Ghislaine "sabia demais" e que pessoas poderosas podem tentar silenciá-la, mesmo presa. "Pode ser que ela não consiga lidar com o medo do que vai acontecer e resolva isso com as próprias mãos", disse.

Violência contra a mulher