PUBLICIDADE

Topo

Transforma

Mulheres protagonizam um mundo em evolução


Acusação de agressão à mulher pode gerar afastamento de Dudu do Palmeiras?

Dudu comemora gol do Palmeiras contra o Goiás - RICARDO MOREIRA/FOTOARENA/ESTADÃO CONTEÚDO
Dudu comemora gol do Palmeiras contra o Goiás Imagem: RICARDO MOREIRA/FOTOARENA/ESTADÃO CONTEÚDO

Nathália Geraldo

De Universa

25/06/2020 04h00Atualizada em 25/06/2020 13h21

A cada quatro minutos, uma mulher é vítima de agressão no Brasil. Com o apelo desse dado, as mulheres da torcida Porcomunas, do Palmeiras, escreveram uma nota pedindo o afastamento do atacante Dudu por conta da acusação de agressão que a mulher do atleta, Mallu Ohanna Neves Rodrigues, registrou contra ele. "Se a cada quatro minutos o silêncio de um time atua no fortalecimento de uma cultura que nos silencia, nos sufoca, nos violenta e nos mata, iremos lutar por respostas", diz um trecho da publicação nas redes sociais do grupo.

O 'Porcomunas' é um grupo de palmeirenses que se define como de esquerda. Além do interesse por futebol, atua na distribuição de roupas e marmitas para população em situação de vulnerabilidade na região do centro de São Paulo. No final de maio, participaram do protesto a favor da democracia que reuniu torcidas de diferentes times na Avenida Paulista, na Capital. Agora, as mulheres resolveram colocar a violência de gênero em pauta — e cobram o afastamento de Dudu enquanto o episódio de agressão é investigado.

Universa conversou com advogadas para saber: há base jurídica para que um suposto agressor seja afastado do trabalho, pedido comum em tantos casos em que há repercussão pública?

Caso do Dudu: acusação de agressão repercute com torcida

QUE NOSSA VOZ SEJA OUVIDA ALÉM DO 180! SEJAMOS A VOZ DA SOCIEDADE! ? Durante muitos anos, o nosso grito foi sufocado e silenciado para que não fosse ouvido nos quatro cantos das arquibancadas. Até hoje seguimos na luta para que nossas vozes sejam ouvidas, dentro e fora das quatro linhas. Ser mulher no ambiente do futebol não difere do que é ser mulher na sociedade, lutamos todos os dias para existir e seguir resistindo. ? Se a cada quatro horas, no Brasil, uma de nós tem seu destino interrompido e seu grito silenciado, iremos lutar ao máximo para que todas nós possamos seguir vivas e gritando. ? Se a cada quatro horas, um ?deixa que eles se resolvam? encerra uma vida, uma história e um destino, iremos seguir nos intrometendo e intervindo para que a estatística seja afetada. ? Se a cada quatro minutos o silêncio de um time atua no fortalecimento de uma cultura que nos silencia, nos sufoca, nos violenta e nos mata, iremos lutar por respostas! ? Nós, mulheres do Coletivo Porcomunas, exigimos respostas imediatas da Sociedade Esportiva Palmeiras, que deverá atuar diretamente no acompanhamento do caso e nas apurações necessárias, prestando todo apoio e solidariedade às mulheres que insurgem-se contra as violências sofridas. Mais do que faixas e hashtags, o time que se diz ?de todos? deverá ser de todas também! ? Nosso pedido é pelo afastamento imediato de todo e qualquer jogador do clube envolvido em caso de violência doméstica, até que tudo seja devidamente apurado e solucionado. Enquanto um jogador se sentir confortável com o silêncio, iremos gritar para que não tenhamos mais um caso incorporado às estatísticas. ? Torcida que canta e vibra é aquela que se opõe à toda e qualquer forma de violência e opressão sistêmica. Nossa total solidariedade às mulheres vítimas de violência doméstica!

Uma publicação compartilhada por Porcomunas 1914 (@porcomunas) em

A advogada Beatriz Mascarenhas, uma das integrantes do Porcomunas, contou para Universa que a nota (que você lê acima, na legenda da foto) foi feita pelas mulheres que compõem a torcida "de forma espontânea". "Quem acompanha o Dudu sabe que já houve outros casos de violência em relação a Mallu. Como mulheres que gostam de futebol, é natural que a gente se preocupe com os ídolos. Uma criança olha para um jogador e quer ser como ele. Como pessoas mais velhas, temos a responsabilidade de avaliar quem é essa pessoa".

Além de pedir o afastamento do atacante, o Porcomunas também cobrou resposta do próprio Palmeiras diante do caso. O clube se posicionou.

"O Palmeiras irá acompanhar o assunto e as conclusões das investigações pelas autoridades competentes para que, no devido momento, e se necessário, venha a se posicionar novamente sobre o ocorrido. Até agora não há conhecimento sobre todos elementos relativos à denúncia. Aproveitamos para reafirmar nosso posicionamento contrário a qualquer ato que atente contra a dignidade humana, incluindo violência e injustiça", disse, em comunicado.

A advogada especialista em direito das Mulheres Andressa Soares Cardoso explica que afastar o jogador do clube, ainda que não estejam sendo realizados jogos, só teria base se houvesse, por exemplo, uma cláusula no contrato dele prevendo essa conduta. "Enquanto não há trânsito em julgado da acusação, não se pode tirar a pessoa da vida normal dela. Não é possível tirar o suposto agressor do trabalho dele, porque ele te direito ao trabalho, previsto na Constituição".

Especialista em Direito de Família e no atendimento a mulheres, a advogada Tatiana Moreira Naumann, contudo, aponta que, mesmo que não esteja na lei, o afastamento pode ser um procedimento de segurança para que seja evitado o surgimento de novas vítimas. É o caso de quando ocorrem denúncias de assédio e abuso contra professores — há casos, como no mês passado, em Brasília, em que os docentes são demitidos.

"Agora, se formos nos perguntar: o que tem a ver o futebol com a agressão? Realmente, nada. Mas isso se dá em caráter mais amplo, porque senão, para o público, pode haver um sentimento de impunidade. Haveria um caráter pedagógico punitivo no afastamento".

Beatriz pondera que o objetivo não é julgar o caso, tentar solucioná-lo ou muito menos aplicar uma visão de punitivismo ao suposto agressor.

"Como não há condenação, a gente não pode esquecer que [o futebol] é o trabalho dele. Nosso pedido é para que o clube esteja a disposição daquela potencial vítima também. Porque, se a gente colocar na balança, de um lado é um jogador que ganha milhões de reais e tem apoio técnico e jurídico e, do outro, é uma mulher que possivelmente esteve o apoiando para que ele construísse a carreira e não vai ter o amparo que ele tem".

Vale ainda dizer que, em qualquer caso de exposição de um suposto agressor em violência sexual, o linchamento virtual pode ser uma conduta condenável. "Não se pode estimular para ir até o perfil dele e xingar, por exemplo. É importante ter cuidado para não ser denunciado crime contra honra, no futuro. Aí, uma pessoa que está simplesmente querendo ajudar a mulher em um caso pode ir para o banco dos reús".

Transforma