PUBLICIDADE

Topo

Violência contra a mulher

Marcela Mc Gowan revela abusos e conta efeitos em vida sexual e afetiva

A ex-"BBB 20" Marcela Mc Gowan - Reprodução/Instagram
A ex-'BBB 20' Marcela Mc Gowan Imagem: Reprodução/Instagram

De Universa, em São Paulo

23/06/2020 08h21

Marcela Mc Gowan, ex-"BBB 20", falou durante live em seu Instagram sobre abuso sexual e suas sequelas psicológicas. A médica revelou que sofreu abuso duas vezes na vida: uma durante a infância, e outra já adulta.

"Nunca foi com nenhum parceiro sério, alguém que me relacionei... Na infância, foi óbvio para mim que era errado. Já adulta, demorei muito tempo para entender. Eu fiquei muito na dúvida, pensando: 'Até que ponto eu consenti?', 'e se eu não tivesse ido até tal lugar?'. Eu demorei muito para registrar que foi um abuso", contou.

Sexo 'performático'

Marcela contou que, a longo prazo, a experiência do abuso afetou sua vida sexual e afetiva. "Para me proteger de memórias ruins, eu me desconectava durante o sexo, criava uma personagem", contou.

"Era um sexo que era performático, sem entrega. Eu não colocava minha energia ou estava presente, porque estar presente para mim durante o sexo era extremamente doloroso, e eu nem percebia", comentou ainda.

"Já adulta, eu descobri [também] que tinha medo de olhar nos olhos de homens. Eu tinha muito medo. Mesmo estando numa fase mais empoderada, eu tinha essa vulnerabilidade ao olhar para o olho de um homem", disse.

Cura

Marcela comentou que, com acompanhamento psicológico, começou a superar esses traumas. "No geral, eu me sarei e vivo minha sexualidade de maneira muito presente, e não mais 'fora' daquele jeito. Eu me transformei, e por isso penso que outras mulheres também tenham que ser transformadas'', afirmou.

"No dia que eu vivi um sexo do qual saí plena, pensei 'é direito das mulheres viverem isso!'. Isso é muito precioso, e a gente fica muito mais forte", definiu.

"Não é tão simples tratar, tem que olhar para muita coisa. A gente precisa entender os papéis de gênero, não se culpar, olhar para a autoestima e para o valor do mundo. Aprender a lidar com isso", completou.

Violência contra a mulher