PUBLICIDADE

Topo

Violência contra a mulher

Produtor de Resgate é acusado oficialmente de assédio; fiança é de US$ 1 mi

O produtor David Guillod, acusado de assédio sexual - Reprodução/IMDb
O produtor David Guillod, acusado de assédio sexual Imagem: Reprodução/IMDb

Do UOL, em São Paulo

22/06/2020 14h19

O produtor David Guillod deve se entregar hoje à polícia de Santa Barbara (EUA) para responder a três acusações de assédio sexual, segundo o Deadline. O nome por trás de filmes de ação como "Atômica" (2017) e "Resgate" (2020) terá que pagar fiança de US$ 1 milhão (R$ 5,2 milhões) para aguardar julgamento em liberdade.

Guillod está na mira da polícia de Santa Barbara há pelo menos dois anos. Durante as investigações, três mulheres aceitaram formalizar a denúncia contra o produtor, desde que não fossem identificadas por nome no processo. Pelo menos um dos supostos casos teria ocorrido durante uma conferência corporativa em Santa Barbara, em 2014.

O produtor, que já foi CEO da companhia Primary Wave Entertainment, também ajudou a levar filmes como "As Três Faces do Crime" (2001), "Sempre Haverá Woodstock" (2014) e "Hóspede Indesejado" (2019) aos cinemas, além de participar da equipe da série "Loudermilk" desde 2017.

Histórico de acusações

Embora estas sejam as primeiras denúncias contra Guillod que resultam em acusação formal, ele já foi citado em casos de assédio sexual anteriormente. A atriz Jessica Barth, conhecida pelo papel na franquia "Ted", disse em novembro de 2017 que o produtor a drogou e a assediou durante uma reunião em um restaurante.

Barth chegou a formalizar a denúncia junto à polícia de Los Angeles (EUA), mas a retirou após, segundo ela, o produtor ameaçar destruir a sua carreira. De acordo com o Deadline, a atriz contribuiu com a investigação em Santa Barbara uma vez que ficou sabendo das acusações adicionais contra Guillod.

Enquanto isso, no começo de 2019, a atriz AJ Cook ("Criminal Minds") processou o produtor e sua companhia por "não revelarem o seu passado de predador sexual" antes de ela assinar um contrato com eles. Segundo Cook, a associação com Guillod "podia prejudicar sua reputação como apoiadora de causas feministas".

Violência contra a mulher