PUBLICIDADE

Topo

Parada LGBT de SP na web tem manifesto pela democracia e Daniela Mercury

Canais no YouTube exibem a Parada LGBT de São Paulo: evento começou às 14h deste domingo (14) - Reprodução/YouTube
Canais no YouTube exibem a Parada LGBT de São Paulo: evento começou às 14h deste domingo (14) Imagem: Reprodução/YouTube

De Universa

14/06/2020 14h12

Maior manifestação do gênero do mundo, a Parada LGBT de São Paulo em 2020 saiu da avenida Paulista e foi para o YouTube. Começou neste domingo (14), às 14h, em diversos canais, entre eles o do YouTube Brasil e do Dia Estúdio. Nesse último, o público chegou a cerca de 30 mil pessoas.

O evento teve início com um discurso da presidente da APOGLBT (Associação da Parada do Orgulho GLBT), Claudia Garcia. "Estamos ocupando esse espaço de expressão virtual. Você que está aí, está participando da parada agora, estamos fazendo valer a nossa voz. O nosso tema esse ano é democracia, exatamente por causa de tudo que está acontecendo. Imaginem que vocês estão na avenida Paulista, vamos gritar por democracia, contra a homofobia, contra o racismo", falou.

A apresentação fica a cargo de Fih e Edu, da página Diva Depressão, e também conta com a participação de Lorelay Fox, Nátaly Neri e Spartakus Santiago. Outros influenciadores e militantes da causa estarão presentes. Os shows ficam a cargo de Ellen Oléria, Daniela Mercury e Gloria Groove. Daniela, inclusive, é uma das grandes apoiadoras do evento, que também será transmitido em seu canal no YouTube. A cantora Katy Perry aparece em um depoimento gravado.

Entre outras pessoas famosas com depoimentos exibidos, Ivete Sangalo mandou seu recado. "Cabe a nos construir uma sociedade de respeito. E você pode ajudar uma das entidades ligadas à Associação da Parada. Se cada um ajudar um pouco, faremos a diferença."

Mel C na parada LGBT online - Reprodução/YouTube - Reprodução/YouTube
A cantora Mel C foi entrevistada por Lorelay Fox
Imagem: Reprodução/YouTube

A cantora Mel C, do grupo Spice Girls, deu uma entrevista à apresentadora da Parada, Lorelay Fox. Falou sobre como se sente grata e dar visibilidade à comunidade LGBT, principalmente dando suporte aos jovens. "Me faz ser muito grata, sentir mais autoaceitação. A força que encontrei nas pessoas me fez mais forte", disse.

E mandou um recado ao público brasileiro: "Se cuidem. Vamos todos ficar pensando na festa que faremos quando tudo isso acabar. E vamos nos apoiar nesse momento."

Democracia para quem?

A exemplo da Parada de 2019, a transmissão online do evento teve um tom bastante político. Com um tom político, anunciou como tema democracia. A influenciadora Louie Ponto apresentou um vídeo com uma explicação sobre o que consiste o termo e de onde surgiu o atual sistema político.

"Não quer dizer que a democracia, como sistema, seja um problema. Mas deve ser para todos. Embora vivamos um regime democrático, não garante lazer, educação para todos, permite o genocídio das populações pobres, indígenas e LGBT. Sem diversidade, não existe democracia", afirmou.

Prefeito Bruno Covas exalta a Parada e o tema escolhido

O prefeito da cidade de São Paulo, Bruno Covas, também apareceu durante a exibição da Parada em vídeo com um recado para os espectadores. "Quero parabenizar a organização da parada e dar boas vindas a você que veio para São Paulo, ainda que virtualmente", disse.

Covas falou ainda das ações da prefeitura, que iluminou prédios históricos com as cores da bandeira LGBT, "para dar um pouco do clima dessa grande festa", falou. "Queria também parabenizar a escolha do tema democracia, nunca foi tão importante. Pessoas tiveram que morrer para a gente falar o que pensa na cidade de São Paulo. Viva a diversidade, vida a democracia."

debate na parada online com thelma assis - Reprodução/YouTube - Reprodução/YouTube
A médica Thelma Assis, ganhadora do BBB20 (acima) debate com Nátaly Neri (abaixo, à esquerda) e Spartakus Santiago (abaixo, à direita)
Imagem: Reprodução/YouTube

Thelma Assis: "Me identifico com várias pautas da comunidade LGBT"

A médica Thelma Assis, vencedora do BBB20, participou de um debate durante a Parada online. Com Spartakus Santiago e Nátaly Neri, falou sobre racismo, sobre a marginalização das mulheres negras e sobre a importância da visibilidade.

"Tem várias pautas que tem tudo a ver com minha história de vida, a causa da adoção da comunidade LGBT, por exemplo. São pautas importantíssimas que a gente tem que se unir para bater de frente com uma sociedade extremamente preconceituosa", disse.

Também lembrou a vereadora Marielle Franco. "Me identifico com Marielle, a mulher preta da periferia que tem que lutar pra conseguir seu espaço", afirmou Thelma.

Ao final, fez um chamamento às pessoas brancas, para que se envolvam na luta antirracista. "Às pessoas brancas cabe o papel [de questionar] por que um ambiente é tão desproporcional. Numa população onde a maioria das pessoas são pretas, por que nesse ambiente não encontramos na mesma proporção pessoas pretas? E a gente não está aqui para falar só sobre racismo, tem gente para falar sobre tudo. Racismo é um problema das pessoas brancas."

Evento deve ocorrer em novembro na avenida Paulista

Parada do Orgulho LGBT de São Paulo é realizada desde 1997 e, neste ano, teve de ser adiada por causa da pandemia de covid-19. Na data de hoje, é realizada virtualmente. A ideia é que seja realizado na Paulista, como todos os anos, em novembro.

A previsão é de que o evento na web tenha oito horas de duração.

Mês do Orgulho LGBTQ+