PUBLICIDADE

Topo

Violência contra a mulher

Mulheres nigerianas saem às ruas em protesto contra estupro e violência

Uwaila Omozuwa, vítima de estupro na Nigéria dentro de uma igreja, morreu dias depois em consequência dos ferimentos - Reprodução/Twitter
Uwaila Omozuwa, vítima de estupro na Nigéria dentro de uma igreja, morreu dias depois em consequência dos ferimentos Imagem: Reprodução/Twitter

De Universa, em São Paulo

09/06/2020 15h26Atualizada em 09/06/2020 17h28

Manifestantes saíram às ruas em cidades da Nigéria para exigir ações urgentes de combate ao estupro e à violência sexual contra mulheres, diz reportagem da CNN.

Em Lagos, uma coalizão de grupos de direitos humanos marchou em direção à sede do governo estadual e pediu que seja declarado estado de emergência nesse assunto.

Dois crimes recentes estão entre os motivos para os protestos. A universitária Vera Uwaila Omozuwa, de 22 anos, foi estuprada dentro de uma igreja em Benin, local que ela costumava frequentar para estudar no período de quarentena. A jovem fazia parte do coral e tinha acesso às chaves. Ela foi muito machucada e morreu dias mais tarde no hospital.

Uma semana depois, outra estudante, Barakat Bello, também foi estuprada e morta. Ela foi vítima de um assalto em sua casa, em Ibadan, segundo a Anistia Internacional.

"Esses eventos infelizes não são independentes, mas são o culminar de práticas culturais não saudáveis", disse o grupo Mulheres Contra o Estupro na Nigéria em uma petição apresentada aos legisladores na segunda-feira.

Ativistas usavam roupas pretas e carregavam cartazes com as palavras "Fim do estupro" para exigir ações do governo contra a violência sexual.

Uma em cada quatro meninas na Nigéria já sofreu alguma forma de violência sexual, de acordo com o Unicef.

A Anistia Internacional, que lançou uma petição exigindo justiça para os assassinatos das estudantes, disse que casos de feminicídio e estupro são subnotificados no país, permitindo que os perpetradores desses crimes fiquem impunes.

A Comissão de Direitos Humanos da Nigéria lançou uma campanha de mídia social para educar os homens sobre o consentimento, e a força policial do país, que teve integrantes acusados

Violência contra a mulher