PUBLICIDADE

Topo

Universa

Mãe de Miguel se revolta com patroa: "confiei nela e ele foi pra morte"

Miguel Otávio Santana da Silva, de cinco anos, morreu ao cair do 9º andar de um prédio em Recife - Reprodução / TV Globo
Miguel Otávio Santana da Silva, de cinco anos, morreu ao cair do 9º andar de um prédio em Recife Imagem: Reprodução / TV Globo

Aliny Gama

Colaboração para Universa, em Maceió

05/06/2020 15h28

A mãe do menino Miguel, Mirtes Renata Santana de Souza, afirmou que está vivendo o "pior momento" da sua vida e que sua tristeza está se transformando em raiva pela patroa, Sarí Mariana Gaspar Corte, suspeita de homicídio culposo pela morte do menino de 5 anos. Disse ainda que a patroa mentiu para ela, negando que tivesse apertado o botão do elevador do prédio para a criança.

Mirtes é empregada doméstica e trabalhava em duas casas de Sérgio Hacker Corte Real, prefeito de Tamandaré (PE): uma na cidade, a 104 km de Recife, e outra na própria capital.

Na última terça-feira, ela precisou levar o filho para o trabalho em Recife porque a creche em que ele costuma ficar está fechada devido à pandemia do novo coronavírus. Mirtes desceu para levar a cachorra dos patrões para passear e deixou Miguel sob os cuidados de Sarí. Segundo imagens do sistema de segurança, o menino entrou no elevador do prédio, observado pela primeira-dama, e desceu no 9º andar. Em seguida, ele despencou de uma estrutura e foi levado ao hospital, mas não resistiu.

Estou vivendo o pior momento da minha vida, perdi minha vida que era meu filho
Mirtes Renata Santana de Souza

"Como pode um adulto não ter a capacidade de tirar meu filho do elevador? A primeira vez que eu confiei meu filho a ela ele foi terça, eu nunca tinha deixado ele com ela, e ele foi pra morte", disse Mirtes a Universa, emocionada.

"Não imaginava que fosse meu filho"

Ela disse que amava os filhos dos patrões como se fossem seus e que nunca teria agido com eles como Sarí agiu com Miguel.

"Quando eu voltei do passeio com a Mel [a cachorra], o porteiro e outro funcionário do prédio estavam indo para o lugar em que se teria ouvido um barulho, e um morador disse que viu uma pessoa caindo. Eu não imaginava que fosse meu filho nunca", disse a mãe.

"Ainda segurei meu filho com vida, pedi para ele ser forte, ele me olhava fixamente e não respondia, mas ainda estava respirando e o coração ainda batia. Gritei pedindo ajuda a Sarí e o funcionário do prédio começou a orar no meu filho."

Ela conta que em seguida, o Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência) e a Polícia Militar foram acionados, mas um médico que mora no prédio desceu para ajudar no socorro e disse que a criança precisava ser levada com urgência para o hospital.

"Sarí subiu, pegou a minha bolsa e a dela e fomos para o hospital da Restauração. Com uns cinco minutos me chamaram para dizer que meu filho tinha virado um anjo, uma estrelinha do céu. Meu mundo desabou, fiquei sem chão."

"Com o passar dos dias, estou sentindo raiva dela"

A mãe de Miguel contou ainda que não sabia que o menino tinha caído do 9º andar e que a patroa o havia deixado sozinho no elevador.

"Ainda os abracei quando eles [Sérgio e Sarí] foram ao velório de Miguel. No velório, observei minha irmã e outros familiares meus revoltados com a presença de Sarí e do Serginho, mas não entendi. A dor é tão grande que não senti nada por eles, mas agora, com o passar dos dias, estou sentindo raiva dela", afirmou.

Na espera pela liberação do corpo de Miguel no Instituto Médico Legal de Recife, familiares e amigos ficaram na calçada do órgão, na manhã de quarta-feira (3). Sérgio e Sarí estiveram no local, e neste momento foram rechaçados pelos familiares de Miguel. Ainda segundo Mirtes, quando foi confrontar Sarí, a patroa mentiu.

"Depois, eu recebi o vídeo em que ela aparece deixando meu filho no elevador e aperta o botão da cobertura. Eu liguei para ela para perguntar por que ela fez isso e ela negou. Disse que ia me provar que não apertou o botão, mas as imagens são claras: ela largou meu filho no elevador, apertou o botão e soltou a porta."

Mirtes contou como estão sendo os dias sem a presença do filho em casa. Eles dormiam no mesmo quarto, em camas separadas, e o menino era "grudado" à mãe: "A minha vida era ele".

Ela, a mãe, Marta Santana, e Miguel, moravam em uma casa no bairro do Barro, na periferia do Recife.

Prisão e fiança

Sarí Corte Real chegou a ser presa pelo crime de homicídio culposo (quando não há intenção de matar), depois que a Polícia Civil de Pernambuco analisou imagens do circuito interno do condomínio e viu que ela deixou a criança sozinha no elevador. A primeira-dama pagou a fiança de R$ 20 mil e foi liberada para responder pelo crime em liberdade.

A prefeitura de Tamandaré informou que o prefeito Sérgio Hacker "se encontra profundamente abalado pelo fato já noticiado pela imprensa" e que "no momento próprio e de forma oficial prestará as informações aos órgãos competentes".

A assessoria de imprensa enviou duas notas à reportagem: na primeira, referia-se ao falecimento do menino Miguel como "morte"; depois, enviou uma segunda nota, "corrigindo" a primeira, afirmando "a lamentável perda do pequeno Miguel".

Universa