PUBLICIDADE

Topo

Diversidade

Kerry Washington vê chance de debater raça e classe em série 'Little Fires'

Em série da Amazon, Kerry Washington interpreta Mia; cena ao lado de Lexi Underwood, que faz sua filha, Pearl - Erin Simkin/Hulu
Em série da Amazon, Kerry Washington interpreta Mia; cena ao lado de Lexi Underwood, que faz sua filha, Pearl Imagem: Erin Simkin/Hulu

Nathália Geraldo

De Universa

30/05/2020 04h00

Um casal da elite branca de Shaker Heights, em Ohio, nos Estados Unidos, com seus quatro filhos, e uma mãe solo negra que pula de cidade em cidade ao lado filha pré-adolescente incendeiam, quase literalmente, o debate sobre raça e classe na série "Little Fires Everywhere", disponível na Amazon Prime Video desde o dia 22 de maio.

A trama, que se passa nos anos 90 e é baseada em best seller homônimo escrito por Celeste Ng tem Reese Witherspoon (Big Little Lies) e Kerry Washington (Scandal) como protagonistas e também produtoras da série. Na tarde de quinta-feira (28), as duas conversaram com Universa via Zoom sobre como 'Little Fires' pode ser um chamado para se falar sobre a experiência de pessoas negras no mundo e porque brancos também devem estar atentos a isso.

Diferentes formas de maternidade, embates raciais, diferenças de classes estão entre os temas tratados na série. Assuntos que nem no Brasil, nem nos Estados Unidos são fáceis de assimilar — o que torna os dois países, especialmente, palco para embates sociais sucessivos. Reese e Kerry interpretam, respectivamente, Elena Richardson e Mia Warren.

A história começa quando artista plástica Mia desembarca com a filha Pearl no bairro rico da cidade e encontra com a "família tradicional" de Elena. As relações entre as duas famílias vão ajudar a exemplificar como o fator financeiro é determinante em suas experiências de vida — e o quanto a raça é um complicador para a mãe solo.

Little Fires Everywhere e o conflito racial

Kerry Washington e Reese Whitherspoon - Erin Simkin/Hulu - Erin Simkin/Hulu
Em oito episódios, 'Little Fires' apresenta conflitos, mistério e drama
Imagem: Erin Simkin/Hulu

Não é só o conflito cultural (e emocional) das famílias de origens diferentes que 'Little Fires' apresenta ao público. Em seus oito episódios, a série se concentra no envolvimento que cada membro das famílias de Elena e Mia tem uns com os outros — carregados de afeto, mas também de mistério, estranhamento e discussões.

No livro, Mia e sua filha, Pearl, não têm identidade racial definida. É na minissérie da Amazon que as personagens são negras e, portanto, lidam com os contornos de temas como racismo velado e estereótipos (a personagem Bebe Chow— interpretada por Huang Lu— por ser asiática, também é alvo desses preconceitos). Por aparentemente não terem dinheiro, também são alvo da visão classista dos ricos sobre os pobres.

Mais de 30 anos depois do período em que se concentram as reviravoltas de 'Little Fires', podemos pensar por um momento que essas categorias de discriminação ficaram no passado junto com a calça jeans de cós baixo. Kerry Washington, porém, acredita que falar sobre a questão racial ainda pode ser uma conversa assustadora.

Kerry Washigton - Erin Simkin/Hulu - Erin Simkin/Hulu
Kerry comenta que papel de Mia -- e de sua filha -- em 'Little Fires' contribui para conversa sobre questão racial
Imagem: Erin Simkin/Hulu

"Esse tipo de conversa pode ser muito assustadora, porque muitos de nós carregamos a mensagem dos anos 90 de que era melhor sermos cegos para a cor e nunca falar de raça; falar das diferenças de um 'modo mais polido'", comenta.

"E sei que as tensões no Brasil são muito similares às nossas [dos Estados Unidos]. Aí, as pessoas agem como se tudo fosse classe, e não sobre raça". Para ela, é inspirador poder atuar em trabalhos que "explorem os dois e reconheça diferenças, além de falar de sexismo, de misoginia".

A atriz, que com frequência defende causas de enfrentamento ao racismo e à violência da polícia norte-americana contra negros em suas redes sociais, e que protagonizou o filme "American Son", lançado no ano passado pela Netflix, considera que interpretar Mia também tem a ver com sua identidade - e isso facilita a assimilação da história.

"Toda vez que temos personagens que lidam com esses temas, é um pouco mais fácil de abordá-los. E ao falarmos de Mia e Elena, estamos primeiramente falando sobre nós mesmas, e isso torna um pouco mais acessível".

Ensine aos seus filhos e erre (para aprender)

Little fires everywhere - Erin Simkin/Hulu - Erin Simkin/Hulu
Reese produziu a série da Amazon ao lado de Kerry. Para ela, questões raciais também precisam ser abordadas por brancos
Imagem: Erin Simkin/Hulu

Para Reese Whiterspoon, a temática racial e social extrapolou a área de cena. "Tivemos uma experiência única na série, que espero que seja repetida. Nos sentimos confortáveis para ter conversas muito difíceis, e concordamos desde o início que, como uma mulher branca, eu iria dizer coisas erradas, e me sentiria segura o suficiente para não me sentir envergonhada a respeito disso", disse.

"Eu venho pensando muito no processo que estivemos. Tantas mulheres diferentes: eu e Kerry na produção, à frente da direção [a maioria dos episódios foi dividida entre as diretoras Nzingha Stewart e Lynn Shelton, que faleceu no meio de maio por conta de uma doença não identificada no sangue]. Isso criou um ambiente aberto e confortável para a conversa começar, para a cura e para que nós todos tomássemos a responsabilidade do que acontece no nosso país", explicou em relação aos conflitos raciais. "É muito importante que mulheres brancas falem sobre isso".

Para a atriz, a conversa também deve avançar gerações; a aposta é que 'Little Fires' possa ser a faísca (com o perdão do trocadilho) para isso. "É uma ótima série para assistir com os seus filhos, não os tão novos, mas os adolescentes, porque esses são diálogos sobre privilégio, raça, classe, sexualidade acontecem. Não é melhor você falar do que eles aprenderem com seus amigos, vizinhos, primos?".

Diversidade