PUBLICIDADE

Topo

Em Brasília, colégio particular demite professores por denúncias de assédio

Alunas denunciam professores pelo Twitter - iStock
Alunas denunciam professores pelo Twitter Imagem: iStock

Ana Bardella

De Universa

28/05/2020 04h00

A rede de colégios Projeção, do Distrito Federal, em Brasília, demitiu professores envolvidos em supostos casos de assédio sexual, embora não tenha divulgado quantos funcionários estariam envolvidos. As denúncias foram realizadas por alunas e ex-alunas da instituição no Twitter. Nas últimas semanas, adolescentes estão usando a rede social para denunciarem agressões do tipo.

Em um dos relatos, uma ex-aluna contou que, quando ainda cursava o Ensino Médio, um professor de história teria criado com ela "certa intimidade", perguntando sobre relacionamentos e lhe mandando mensagens no WhatsApp.

"Sempre que podia almoçava comigo, pagava sorvete, me levava para o cursinho. Os abraços eram demorados e eu sabia que tinha algo errado. Até o dia em que me chamou para a sala dele em horário de aula para conversarmos. Tinha um sofá e ele me convidou para deitar lá. Eu não quis. Aí ele soltou que 'deixaria a esposa fácil por uma novinha'. Meu coração gelou."

Na mesma semana, segundo a jovem, ele teria "roubado um selinho" seu. Ela afirmou que levou alguns meses para conseguir contar para a mãe sobre o que tinha acontecido. Uma vez que soube da história, a família teria formalizado uma denúncia para a instituição. No entanto, isso não teria sido suficiente para afastar o profissional.

Em outro depoimento publicado na mesma rede social, outra garota denunciou comportamentos abusivos por parte de um professor da rede de colégios que lecionava biologia. Ela diz que, por ser adolescente na época, não conseguia enxergar o que havia de errado na maneira como vinha sendo tratada.

"Mesmo ele pedindo pra eu desligar a luz da sala e fechar a porta pra gente se 'pegar', as mil vezes que ele pediu nudes meus, que ele puxou minha blusa em plena aula pra ver a cor do meu sutiã, os abraços bem mais intensos do que o normal... eu, ingênua, não conseguia ver maldade. Cheguei no nível de sair da sala durante a aula dele para chorar."

Um grupo de meninas chegou a ser formado a fim de compartilharem suas experiências negativas em relação aos profissionais da rede. Com a repercussão dos casos, o colégio informou na terça-feira (26), por meio do Instagram, que apuraria as denúncias. Depois, publicou uma nova nota, na qual a instituição de ensino cita as medidas tomadas com relação aos casos — entre elas, a demissão dos envolvidos.

"Depois de rigorosa apuração e fundamentados em seu código interno de conduta, os envolvidos foram desligados", informou o colégio. Além disso, a instituição garantiu que os resultados das apurações internas serão encaminhados às autoridades policiais e ao conselho tutelar.

Os Colégios Projeção tomam suas decisões sempre à luz da responsabilidade e do respeito à lei e aos direitos fundamentais do cidadão. ? ? Assim, dando sequência à posição oficial externada ontem nesta mesma plataforma e como natural desdobramento de comentários postados com denúncias de assédio, os Colégios Projeção informam que, depois de rigorosa apuração e fundamentados em seu código interno de conduta, os envolvidos foram desligados. ? ? Ressaltamos ainda que um processo administrativo foi aberto imediatamente após o conhecimento dos fatos narrados. Além disso, os resultados das apurações internas serão encaminhados às autoridades policiais e ao conselho tutelar para as devidas providências legais. ? ? Não transigimos com práticas que desrespeitam a dignidade das pessoas. Só existe um remédio para coibir atos que afrontam as mais básicas noções de respeito ao outro: o máximo rigor. ? ? Nos Colégios Projeção, condutas inadequadas não são toleradas. ? ? Informamos também que o episódio reforça a necessidade de ampliarmos junto às famílias, estudantes e colaboradores, nossas políticas de conscientização sobre o tema. ? Nesse sentido, objetivando dar voz aos nossos alunos e assim construirmos uma ação conjunta e colaborativa, o canal ouvidoriaguara@projecao.br estará disponível para receber os relatos, sendo assegurado o sigilo.? O apoio da comunidade escolar é fundamental para nos ajudar a evoluir sempre nas boas práticas e na defesa intransigente do respeito entre todos.? Tornamos pública nossa solidariedade às alunas e famílias que denunciaram o ocorrido. Sua indignação é a nossa indignação. ? ? ? Diretores, coordenadores e professores sempre estarão prontos para ouvir e ajudar estudantes e pais.? ? Colégios Projeção - Cidadania se constrói com responsabilidade? ? #colegioprojecao #transparencia #verdade #justica #respeito

Uma publicação compartilhada por Colégio Projeção (@colegio_projecao) em

A Universa, o assessor de comunicação dos colégios confirmou que um processo administrativo foi aberto diante dos casos. Durante a apuração, garantiu que a instituição ouviu familiares e alunos. O colégio não informou, no entanto, o número de profissionais desligados.

Quanto à denúncia feita anteriormente, o colégio confirmou que recebeu a queixa, mas que os elementos apresentados foram "inconclusivos". Portanto, optou em apenas advertir, mas não deligar o professor. Agora, "diante de novos elementos e detalhes", tiveram a certeza de que seria necessário o afastamento do profissional.

Violência contra a mulher