PUBLICIDADE

Topo

Thelma relata caso de racismo vindo de professor na faculdade

Thelma Assis conta que, felizmente, o caso foi uma exceção em sua carreira acadêmica - Reprodução/Instagram
Thelma Assis conta que, felizmente, o caso foi uma exceção em sua carreira acadêmica Imagem: Reprodução/Instagram

Do UOL, em São Paulo

19/05/2020 23h00

Vencedora do BBB 20, Thelma Assis relembrou hoje um caso de racismo que sofreu por parte de um professor da faculdade de medicina.

Ela contou que, felizmente, seus colegas nunca tiveram qualquer atitude do tipo, e a fala do docente foi uma exceção:

"Na faculdade eu estudei com muitas pessoas especiais, nunca tive entre os colegas nenhuma atitude racista. Eu fui muito bem recebida, sempre tive uma integração muito legal com as pessoas", contou em entrevista à revista Marie Claire.

"Só um professor que falou que achava que as pessoas negras tinham mais aptidão para esporte do que para estudar ou desenvolver atividades intelectuais, mas foi um caso pontual."

Thelma afirmou que, infelizmente, na vida profissional os casos de discriminação são mais comuns — para ela, o motivo é a escassez de médicos negros.

"Mas aos poucos a gente está se colocando no mercado de trabalho, mostrando nosso espaço. Tenho muita esperança de que essa estatística mude cada vez mais, para que isso não ocorra com outras pessoas."

Ela também contou que se surpreendeu ao perceber, no final do programa, que a edição foi marcada por debates sobre racismo:

"O assunto do racismo às vezes... Como eu posso explicar? Já houve edições em que ele não foi tão valorizado. É um assunto que às vezes acaba sendo levado por uma questão polêmica e acaba sendo desvalorizado. Sair e perceber que foi uma edição diferente onde não só a questão do racismo, mas também o machismo, foi bem pontuada, eu fiquei muito orgulhosa. De verdade, eu não esperava."

Thelma também comentou o que sentiu como médica quando a produção do programa decidiu quebrar o protocolo e contar sobre a pandemia do novo coronavírus: "Eu fiquei bem assustada quando o Tiago Leifert entrou e passou para nós a notícia, e num primeiro momento o que a gente mais ficou preocupado foi com a questão dos nossos familiares, acho que é uma coisa que pesa muito no nosso psicológico ali", revelou. A anestesista acrescentou: "Depois, no dia seguinte, eu comecei a pensar na dimensão que isso poderia estar tomando aqui fora, a mudança de rotina das pessoas."

Diversidade