PUBLICIDADE

Topo

Presa por ser reconhecida pelo cabelo, modelo é absolvida após quase 3 anos

A modelo Bárbara Querino, Babiy, foi presa após ser reconhecida "pelo cabelo" - Reprodução Instagram
A modelo Bárbara Querino, Babiy, foi presa após ser reconhecida "pelo cabelo" Imagem: Reprodução Instagram

De Universa, em São Paulo

13/05/2020 18h45Atualizada em 14/05/2020 10h02

Quase três anos após ter sido fichada por um crime que não cometeu, a modelo e dançarina Barbara Querino publicou nas redes sociais a sua absolvição. "Notícia mais que incrível", escreveu no Twitter hoje à tarde, acrescentando uma imagem da decisão judicial. Reconhecida como cúmplice de um roubo, em 2017, por pessoas que a identificaram pelo cabelo cacheado, ela vem denunciando o racismo desde que deixou a prisão.

Na decisão, o desembargador do Tribunal de Justiça de São Paulo, Guilherme Souza Nucci, considerou peculiar o reconhecimento da modelo já que o cabelo dela não apresenta nenhum traço diferencial que a pudesse identificar.

"A primeira identificação da acusada pelas vítimas ocorreu, em circunstâncias pouco esclarecidas (vítimas vizinhas de condomínio do delegado), por meio de fotografias enviadas pelo aplicativo "WhatsApp", quando os ofendidos reconheceram Bárbara em razão de seu cabelo, circunstância, no mínimo, peculiar, sobretudo pela ausência de traços diferenciais no cabelo da referida acusada", escreveu ele na decisão.

Em novembro de 2017, Babiy, como é conhecida nas redes sociais, foi fichada sob a acusação de ter participado de um roubo de carro, em São Paulo, que havia ocorrido dois meses antes e que também envolvia seu irmão e um primo. Ela foi reconhecida pelas vítimas do assalto por fotos enviadas via WhatsApp.

Em entrevista concedida ao UOL no ano passado, Babiy relatou: "Ela (a vítima) falou que reconheceu o meu cabelo. Sendo que aqui em São Paulo o que você mais vê é um cabelo igual ao meu". A modelo falou sobre justiça brasileira e racismo na série "Retrato".

No entanto, na ocasião do crime, Babiy estava no Guarujá, litoral paulista, a cerca de 100 km da capital. Em janeiro de 2018, ela foi presa e cumpriu um ano e sete meses de pena no regime fechado. Mesmo apresentando fotografias na praia e contando com depoimentos de amigos que a acompanharam na viagem.

Em agosto de 2018, Bárbara foi condenada a cinco anos e quatro meses por assalto a mão armada. O juiz do caso afirmou que as imagens dela em redes sociais eram "provas imprecisas", pois delas não se poderia extrair data ou horário.

A modelo só deixou a prisão em setembro de 2019, após cumprir dois sextos da pena, para cumprir o restante da condenação em casa, no regime aberto. Ela recorreu do caso em segunda instância e obteve a resposta hoje.

"Por fim, a ré Bárbara também infirmou a prática do crime, apresentando um álibi no sentido de que estaria em Guarujá desde o dia 9 de setembro de 2017, sendo impossível estar no local dos fatos no dia seguinte", declarou Nucci na decisão.

Diversidade