PUBLICIDADE

Topo

Mulheres inspiradoras

"Covid fez resgatar ancestralidade", diz indígena que faz vinho de mandioca

Raquel Tupinambá é bióloga com mestrado em botânica e estudou mais de 40 tipos de mandioca - Bob Barbosa/Divulgação
Raquel Tupinambá é bióloga com mestrado em botânica e estudou mais de 40 tipos de mandioca Imagem: Bob Barbosa/Divulgação

Marcelo Testoni

Colaboração para Universa

09/05/2020 04h00

Se o novo coronavírus mudou a realidade das cidades, nas aldeias indígenas a situação não foi diferente. Na comunidade Surucuá, na Amazônia paraense, as mulheres que ajudam no sustento de suas famílias com a produção artesanal de uma bebida, o "vinho de mandioca", tiveram as vendas interrompidas depois que Santarém, município base do seu negócio, restringiu os acessos. Em vez de lamentar, elas fizeram do isolamento uma oportunidade para se redescobrir.

"O momento está servindo demais para trabalhar nossa ancestralidade, nossos conhecimentos tradicionais e aproveitarmos o convívio com os mais velhos", explica Raquel Tupinambá, uma das responsáveis pela iniciativa feminina Mani-Oara, de produção do vinho de mandioca. Mariane Chaves, sua irmã, explica o nome: "Mani-Oara é uma formiga e, como elas, unidas nos fortalecemos. Chamamos assim nosso projeto e também seu principal produto".

Protagonismo feminino

Mariane Chaves, irmã de Raquel, é agricultora formada em agroecologia  - Bob Barbosa/Divulgação
Mariane Chaves, irmã de Raquel, é agricultora formada em agroecologia
Imagem: Bob Barbosa/Divulgação

Não é a primeira vez que Raquel e Mariane retomam as origens para contornar desafios. A própria ideia que tiveram em 2016 de produzir vinho é um exemplo — no norte do país, principalmente no interior do Pará e Amazonas, a palavra "vinho" também é usada para designar bebidas espessas extraídas de frutos locais, como patauá, bacaba e açaí.

Com a redescoberta do potencial da mandioca, que é manejada por seus antepassados há milênios, as irmãs puderam ampliar sua utilização, gerar fonte de renda extra para a comunidade e proporcionar a valorização do papel feminino por meio de projetos como oficinas, trocas de saberes e reuniões políticas.

"Era preciso também fazer algo que desse visibilidade para nós, mulheres, que somos protagonistas na produção de alimentos", explica Raquel. De acordo com ela, nas sociedades amazônicas é de responsabilidade principalmente feminina cuidar da roça.

Muitas vezes, no entanto, não há reconhecimento por parte dos homens. Isso exige um trabalho de conscientização das mulheres de sua importância e direitos. "Até oficina de ginecologia política já trabalhamos na comunidade para que elas conhecessem mais sobre seus corpos e pudessem usá-los sem receio."

Repertório aliado ao conhecimento científico

O vinho de mandioca Mani-Oara: 8% de teor alcoólico - Bob Barbosa/Divulgação
O vinho de mandioca Mani-Oara: 8% de teor alcoólico
Imagem: Bob Barbosa/Divulgação

A concretização da iniciativa que Raquel e Mariane conduzem hoje ocorreu após somarem seu repertório ao conhecimento científico adquirido fora da comunidade. Raquel é bióloga, fez mestrado em botânica, onde se dedicou em estudar mais de 40 tipos de mandioca nativas, e atualmente é doutoranda em antropologia pela UnB (Universidade de Brasília). Já Mariane é agricultora formada em agroecologia pela UFV (Universidade Federal de Viçosa), em Minas Gerais.

Os primeiros testes de fabricação do vinho de mandioca foram realizados pelas irmãs de forma caseira. Para obtê-lo, elas partiram do princípio que era preciso isolar alguns fungos do tarubá, outra bebida derivada da mandioca e que já era desenvolvida por seus ancestrais. Esses micro-organismos são adicionados à receita após a desintoxicação da massa da mandioca e ficam responsáveis pela fermentação do vinho, que ao final também adquire teor alcoólico de 8%.

"Até a chegada da pandemia de Covid-19 ao Brasil, o vinho de mandioca, além de outros produtos nossos, como o tucupi preto, que também é derivado da mandioca, farinhas, beijus e cogumelos eram vendidos principalmente em feiras e lojas de Santarém, na região do Baixo Tapajós-Arapiuns", conta Raquel. "Por enquanto, o projeto está na fase inicial e, apesar de nossa comercialização ter sido interrompida, nossa produção, embora pequena, continua."

Mariane complementa que todo o processo produtivo conta ainda com o envolvimento de diversas comunidades indígenas vizinhas, organizadas pela Ampravat (Associação de MicroProdutores Rurais e Indígenas de Amorim e Vista Alegre do Tapajós). A quantidade de famílias beneficiadas, que também são sócias da organização, chega a 25. Quanto ao envolvimento de sua aldeia, o informado é que atuam cerca de 30 mulheres, algo perto de 60% da população.

Estímulo para resistir e sobreviver

Ainda sobre os impactos da pandemia, mas na saúde e nas relações sociais dos índios brasileiros — que há mais de 500 anos sofrem com a ameaça das mais variadas doenças introduzidas pelos invasores de suas terras —, Raquel diz que em sua comunidade até o momento não há casos confirmados da doença e que todos têm respeitado a quarentena.

"A recomendação que estamos tendo é de ficar dentro da comunidade, nas aldeias, e evitar o máximo sair daqui para ir à cidade, que já registra vários casos confirmados de Covid", conta. "Falando por mim, que estudo em Brasília e estou aqui em isolamento desde o início de março, está sendo até muito enriquecedor passar esse tempo com meus familiares indígenas, pois, como disse, aprendo a cada dia mais sobre nossa cultura na companhia deles."

Com a troca de experiências e mais contato com a natureza, estão sendo resgatadas antigas práticas de manejo na agricultura, além de rituais e comidas típicas. O hábito de consumir cogumelos, que a nova geração de indígenas vinha deixando de lado, rendeu até um projeto para revitalizar dentro das comunidades essa parte da alimentação dos avós e que é tão importante para manter viva a cultura local — ainda mais, acreditam as irmãs empreendedoras, num momento em que esses povos sofrem pressões políticas para se urbanizarem sob o preconceito de que precisam "evoluir".

Mulheres inspiradoras