PUBLICIDADE

Topo

Sexo

Irmãs fazem shows sensuais na webcam: "Somos quase uma pessoa só"

As irmãs Aurora (à esquerda) e Venusss trabalham com transmissões na webcam e compartilham a vida peculiar juntas - Reprodução
As irmãs Aurora (à esquerda) e Venusss trabalham com transmissões na webcam e compartilham a vida peculiar juntas Imagem: Reprodução

Marcos Candido

De Universa

17/04/2020 04h00Atualizada em 18/04/2020 10h16

A camgirl e atriz pornô Venusss, 28, abandonou a odontologia para se dedicar ao conteúdo adulto. Quem a influenciou a apostar na nova carreira foi a irmã mais nova, Aurora, 25.

"Uma sorte imensa ter uma irmã que também é camgirl. Alguém que eu entendo e também me entende e compartilha literalmente comigo essa vivência tão peculiar", explica Vênus, que já foi apresentada por Universa em março.

Foram necessárias longas conversas para explicar à família o que ela fazia para ganhar dinheiro. Com a irmã, a conversa foi mais curta: foi sua primeira confidente. "Quando comecei, há seis anos, não tinha com quem conversar sobre o assunto e minha irmã foi a primeira pessoa com quem tive a liberdade para contar", lembra Aurora. Entendeu e seguiu seus passos.

Aurora conta que está há mais tempo que a irmã trabalhando na frente das câmeras. Hoje, enquanto Venusss largou a odontologia para se dedicar às câmeras, elas estuda para entrar em medicina.

Para Universa, ela conta sua história:

***

"Eu comecei na webcam em 2014, quando ainda namorava. Na época, escondi da minha família e amigos porque ainda não ter certeza se queria continuar. Aos poucos, contei para minha mãe, irmã e poucos amigos. Quando eu e meu ex terminamos, uma tia me telefonou e me perguntou: o que é isso em seu Facebook? Antes que ela dissesse, eu já imaginava. Meu ex tinha publicado fotos minhas de calcinha, sutiã e com links para meu trabalho.

Tomei um susto. Na época eu ainda não sabia como as pessoas reagiriam à minha profissão e ainda desenvolvia confiança na plataforma que estava usando. Foi chato. Eu dizia que trabalhava com publicidade para me manter, mas não sabia detalhar o que fazia. Mentir me deixava desconfortável, além de parecer que era algo errado.

Eu morava com ele, que não aceitou meu desejo de terminar a relação. Em uma das brigas, ele me ameaçou com frases do tipo "você vai ver". Eu pensei que ele estava nervoso, mas ele acessou um e-mail antigo, que eu não usava, e trocou senha de outros e-mails até conseguir alterar meu acesso ao Facebook.

Até então, pouca gente sabia. Como já não estava confortável em mentir, vesti a camisa e disse que teriam que me aceitar como sou. Tive que fazer várias 'palestras' para pessoas próximas para explicar o que fazia.

As pessoas pensam que a camgirl também faz programa, que usa droga, que rouba. Fazem conexões absurdas. Passei a explicar que é um trabalho virtual, sem contato presencial com o cliente. Que tem muito mais conversa do que sexo em si. Muita gente está pagando para ter atenção e não putaria. Aí fica fácil de entender.

Camgirl, Aurora conseguiu R$ 80 na primeira conversa; hoje estuda para fazer medicina - Reprodução/Instagram - Reprodução/Instagram
Camgirl, Aurora conseguiu R$ 80 na primeira conversa; hoje estuda para fazer medicina
Imagem: Reprodução/Instagram

A primeira vez na webcam, aliás, foi muito legal e dei muita sorte. Estava na casa da minha avó e entrei só para testar as funções do site. Fui na garagem, com uma luz amarela. Um menino me chamou no privado e fiquei um tempão conversando. Ganhei R$ 80 só para conversar. Daí para a frente foi só alegria. Ganhei vários clientes que, apesar da questão de nudez, são simpáticos e legais. Abri com chave de ouro.

Mas, mesmo assim, jogar isso no Facebook causou uma má impressão. O 'camming' não era conhecido e ninguém sabia do que se tratava. Nunca mais falei com esse ex, mas fui libertada pelo que aconteceu. Apesar de ter sido um babaca.

Eu e minha irmã somos muito próximas. Costumo dizer que minha mãe não pariu duas filhas, mas uma só fracionada. Somos quase uma pessoa só. Se acontece algo engraçado na webcam, conto tudo para ela. Se há um cliente babaca, já adianto quem é para ela saber. Quando comecei, não tinha com quem conversar sobre o assunto. Contei para ela fui compreendida.

Minha irmã ainda estava na odontologia quando comecei. Ela trabalhava 12 horas por dia, demorava duas horas para chegar nos consultórios e era um trabalho supercansativo. Eu ganhava mais do que ela trabalhando em casa.

Sonhávamos em morar juntas, dividir o aluguel, e ela ficava chateada por ter estudado quatro anos em uma faculdade, com boas notas, e não ter o retorno financeiro esperado. Neste ano, voltamos a morar uma com a outra.

Um dia minha irmã testou o que eu fazia, gostou e levou para a frente. Antes da webcam, eu só estudava para o pré-vestibular -e continuo estudando para passar em medicina.

É engraçado: minha irmã saiu da área da saúde para a pornográfica e eu quero sair da pornográfica para a área da saúde.

Aurora (foto) é webstripper e inspirou a irmã, Vênus, a seguir a mesma profissão - Reprodução/Instagram - Reprodução/Instagram
Aurora (foto) é webstripper e inspirou a irmã, Vênus, a seguir a mesma profissão
Imagem: Reprodução/Instagram

Depois que terminei com o boboca que me colocou no Facebook, os relacionamentos foram tranquilos e naturais. Se a pessoa não está interessada, você acaba não criando intimidade. Os meninos que namorei aceitaram tranquilamente, já me conheceram trabalhando com isso. Hoje, meu namorado até participa comigo."

Sexo