PUBLICIDADE

Topo

Mães e filhos

Filhos e home office na pandemia: como dividir as tarefas com o parceiro?

Juliana Souza e o marido Edson: rotina dividida em turnos de cinco horas para cuidar das filhas Luci, 5, e Ana, 2 - Arquivo Pessoal
Juliana Souza e o marido Edson: rotina dividida em turnos de cinco horas para cuidar das filhas Luci, 5, e Ana, 2 Imagem: Arquivo Pessoal

Helaine Martins

Colaboração para Universa

07/04/2020 04h00

Grande parte de nós está, como medida para conter a propagação da covid-19, confinado em casa, evitando contato com outras pessoas e só saindo em situações emergenciais. Para os casais, na prática, isso quer dizer conviver durante semanas (quiçá meses) equilibrando-se entre administrar a casa, os cuidados com as crianças e, muitas vezes, o home office. Some a essa mistura altos níveis de estresse, insegurança e ansiedade e o resultado pode ser desastroso.

Pode, mas não precisa — e o segredo está na parceria. É o que afirma a psicóloga Cristiane Schumann, especialista em casais e doutora em Saúde pela UFJF (Universidade Federal de Juiz de Fora). "Neste momento, estamos todos sob estresse e vulneráveis pelas mudanças de rotina. O diálogo e o consenso, portanto, são fundamentais para não sobrecarregar ninguém e evitar conflitos", explica. Dividir as responsabilidades dentro de casa, diz a especialista, é o primeiro passo.

Não deveria ser preciso lembrar que não existem, por exemplo, tarefas de mulher e tarefas de homem. "As atribuições domésticas não têm gênero", afirma Cristiane.

Para criar uma rotina, há casais que preferem definir escalas. Outros optam pela livre demanda. Há ainda os que escolhem seguir uma ordem de prioridades. Para quem está perdido, a psicóloga indica um caminho: fazer uma lista com as tarefas fixas e variáveis; definir a ordem de importância; decidir quem vai fazer o quê e como, considerando as preferências de cada um, e só encerrar o assunto quando ambos entrarem em um consenso.

Cristiane explica, no entanto, que não há uma solução ideal, mas que existe a melhor opção de acordo com a realidade de cada casal.

Rotina em turnos

Desde que as aulas das filhas foram suspensas e o trabalho virou home office, os editores de livros didáticos Juliana e Edson Souza, de 33 e 55 anos, respectivamente, optaram por dividir a rotina em turnos de cinco horas. De manhã, enquanto ela trabalha no escritório improvisado no quarto, ele cozinha, lava a louça, limpa a casa e brinca com as meninas, Ana, de 2 anos, e Luci, 5. Á tarde, invertem os expedientes. E tem dado certo.

"Antes da quarentena, eu tinha que pedir para o Edson fazer alguma coisa. Agora, ele já toma a iniciativa", comemora Juliana. "Por incrível que pareça, temos nos sentido bem menos cansados nesse novo ritmo."

Camila e o marido Renato: os dois têm que cumprir oito horas de trabalho e dividir-se com os gêmeos - Arquivo Pessoal
Camila e o marido Renato: os dois têm que cumprir oito horas de trabalho e dividir-se com os gêmeos
Imagem: Arquivo Pessoal

Já na casa da família Minghetti, a servidora pública Camila, 38, e o bancário Renato, 41, optaram por deixar a nova rotina fluir e ver, na prática, o que pode ou não dar certo. Além de cuidar da casa e dos gêmeos Dimitri e Giovani, 3 anos, o casal mantém o expediente de 8 horas mesmo em trabalho remoto.

"Como nossos trabalhos têm demandas diferentes, cada um para no momento em que pode para dar uma olhada nos meninos. Às vezes, ele se fecha no quarto para uma videoconferência, em outro momento sou eu para gravar um áudio. Um dia eu faço o almoço, no outro, ele", conta Camila. "Vai de acordo com o momento de trabalho de cada um ou mesmo da escolha, como um ficar com os meninos enquanto o outro lava a louça", exemplifica.

Comunicação é ponto-chave em home office

Assim como o diálogo com o parceiro ou parceira é fundamental para a rotina em casa se manter em ordem, a comunicação com chefes e equipe também é determinante para quem ainda está se adaptando ao trabalho remoto.

"Nesse momento, é preciso haver uma compreensão por parte da empresa de que o trabalho home office tem uma outra natureza e os dois lados têm que alinhar as expectativas sobre o horário de expediente, rendimento e cumprimento das demandas", explica Thais Godinho, autora do livro "Trabalho Organizado: Encontre Equilíbrio e Significado num Mundo Cada Vez Mais Sobrecarregado".

Juliana Souza, por exemplo, deixou claro para a chefia que não conseguiria ter o mesmo rendimento enquanto precisar dividir o seu tempo entre o trabalho e a atenção com as filhas. Conversaram e concluíram que o importante era ela cumprir os prazos de entregas, ainda que não possa estar disponível durante todo o expediente.

"Seria uma ilusão acreditar que eu renderia as mesmas oito horas que passo dentro da empresa, focada apenas no meu trabalho", diz. Para se adaptar às demandas, Edson tem dormido mais tarde para dar conta de tudo.

Ainda que diante desses desafios, o home office não é um bicho de sete cabeças. O dia a dia vai depender de diversos fatores como quantidade de filhos e da idade deles, da estrutura familiar e condições financeiras, por exemplo. Mas o importante, segundo Thais, é cada um fazer aquilo que pode dentro das suas necessidades.

Sete dicas para conciliar casal em home office e filhos

  1. Determine o nível de concentração que sua atividade exige. É isso que direciona a organização: dá para ser interrompida? Dá para trabalhar próximo ao filho? Dá para conciliar com atividades da casa? Quando é possível um dos dois trabalhar sem tanta concentração, o filho pode ficar com o outro, fazendo alguma atividade de trabalho.
  2. Se for possível fazer o seu horário, pense em qual turno do dia você tem mais energia. Se não for necessário estar disponível em horário comercial, faça uma experiência trabalhando à noite ou em outros horários alternativos, em que a casa está mais silenciosa, e observe em qual rende mais.
  3. Converse com os seus filhos. Assim é possível que eles compreendam a situação e tenham a chance de manifestar o que têm vontade de fazer enquanto você trabalha. Você pode ter ideias, mas dependendo da idade dos seus filhos, eles podem ter suas próprias e surpreender os país. Dê essa chance.
  4. Se seu filho for mais velho e o casal precisa fazer uma reunião ou se concentrar, avise que vocês não poderão ser interrompidos. Assim dá para ficar de olho e, ao mesmo tempo, conseguir fazer o que é preciso. Não dá para ficar o dia todo assim, pois eles precisam de atenção, mas em alguns momentos é possível.
  5. Integrar a criança à divisão de tarefas pode ser uma boa para distraí-los. Desse modo, você está presente. Quando precisar se concentrar e pedir para ele ficar quietinho em uma atividade individual, será mais fácil, pois ele não sentirá sua falta tanto assim.
  6. TV, celular, computador, videogame não são o mundo ideal, mas vivemos em um estado de exceção. Se você precisa trabalhar e a única maneira, em alguns momentos, é permitir essas tecnologias, não se culpe tanto. Faz parte!
  7. Mantenha a organização. É muito rápido mudar e começar a dormir mais tarde, esquecer de beber água, não parar para almoçar etc. O trabalho remoto exige tanta ou até mais disciplina para que se torne produtivo.

Mães e filhos