PUBLICIDADE

Topo

Mães e filhos

Programa vai dar R$ 120 por 2 meses para mães solteiras que moram em favela

Pessoas passam por viela de Paraisópolis, segunda maior favela de São Paulo - Gulira Fotos
Pessoas passam por viela de Paraisópolis, segunda maior favela de São Paulo Imagem: Gulira Fotos

De Universa, em São Paulo

06/04/2020 14h01Atualizada em 06/04/2020 14h15

A Cufa (Central Única das Favelas) lançou na última sexta-feira (3) um programa para auxiliar mães solteiras que moram em favelas de 17 estados e do Distrito Federal que estão sendo fortemente atingidas pelos reflexos do coronavírus.

O programa, chamado de "Mães da Favela", vai pagar uma bolsa de R$ 120 ("Vale Mãe") durante dois meses para 20 mil mães, via aplicativo PicPay, totalizando 40 mil vales a serem distribuídos. O repasse deve acontecer em 15 de abril e 15 de maio.

As doações são recebidas por meio do site oficial do programa e do app. Quem quiser doar, seja pessoa física ou jurídica, transfere da sua conta na plataforma para a conta da Cufa, que faz a distribuição para as mães. Até às 13h48 de hoje, o site informava que mais de R$ 350 mil já haviam sido arrecadados.

Para assegurar a transparência do processo, a entidade disse que haverá um contador de entrada de recursos na página do site e uma auditoria externa.

Uma empresa auxiliará o cadastro das mães com a tecnologia de reconhecimento facial, garantindo que elas serão as reais beneficiárias. A escolha das mães fica a cargo das lideranças das Cufas nos estados, entidades responsáveis pela identificação daquelas que demandam maior auxílio para criar e sustentar os seus filhos.

"Temos milhões de mulheres que estão desamparadas por todo o Brasil, sem condições de colocar dinheiro em casa por conta do isolamento. Faremos o máximo possível para atenuarmos as suas dificuldades tendo em vista que 50% dos lares são chefiados por mães", afirmou o fundador da Cufa, Celso Athayde.

Renda diminuiu para 84% das mães

Uma pesquisa inédita do Data Popular/Instituto Locomotiva revelou que nove em cada dez mães mudaram suas rotinas devido ao isolamento provocado pelo coronavírus, sendo que todas afirmam que estão muito preocupadas com o impacto dessa doença.

Em relação às questões financeiras, 84% já tiveram a renda diminuída, 87% estão cortando gastos e 73% declaram que não conseguirão manter o padrão de vida por nenhum período se perderem a renda familiar.

Programa deve ajudar pequenos negócios

Para o fundador do Instituto Data Popular, Renato Meirelles, que vai ajudar a medir os impactos da ação, o programa "Mães da Favela" deverá também ajudar a fortalecer os pequenos negócios nas comunidades.

"As favelas têm mais de 5,2 milhões de mães. São as chefes de família que controlam melhor o orçamento, cuidam das crianças e ainda prezam pela saúde dos idosos que moram em suas casas", afirmou Meirelles.

Mães e filhos