PUBLICIDADE

Topo

Moda

Fabricantes de roupas em Bangladesh perdem US$ 3 bi e fazem apelo a marcas

Fachada de loja H&M em Melbourne, na Austrália - Getty Images
Fachada de loja H&M em Melbourne, na Austrália Imagem: Getty Images

De Universa, em São Paulo

30/03/2020 10h36

A paralisação de serviços em quase todo o mundo afetou as fábricas de vestuário em Bangladesh. Elas calculam um prejuízo de US$ 3 bilhões com pedidos cancelados.

A Associação de Fabricantes e Exportadores de Vestuário de Bangladesh (BGMEA) divulgou um balanço hoje sobre os efeitos das medidas adotadas pelo mundo para combater o novo coronavírus. O país é o segundo maior exportador de roupas para a China.

Segundo o documento, os pedidos cancelados incluíam grandes compras de clientes europeus como C&A, Inditex, Primark, Marks & Spencer, Tesco, Walmart e Target.

Uma pesquisa divulgada na última sexta-feira mostrou que milhões de trabalhadores estão em casa, devido ao fechamento das fábricas para manter as pessoas isoladas e reduzir a circulação nas cidades, mas sem receber salário ou indenização que lhes são devidos.

O BGMEA informou que US$ 1,8 bilhão em pedidos estão retidos e US$ 1,4 bilhão foi cancelado. O apelo das fabricantes é para que as marcas não cancelem seus compromissos com elas.

A loja H&M disse que vai pagar pelos pedidos feitos que estão em produção. Já a PVH, dona das marcas Calvin Klein, Tommy Hilfiger e Heritage, disse aos fornecedores que está lançando faturas suspensas desde 18 de março. Os pagamentos posteriores serão processados gradualmente.

A atitude das duas marcas foi elogiada pelos fabricantes, que apelam para que outros clientes façam o mesmo.

Mais de um milhão dos quatro milhões de trabalhadores das fábricas de roupas no país já perderam o emprego desde que os pedidos começaram a ser cancelados.

Moda