PUBLICIDADE

Topo

Mulher diz que foi algemada durante o trabalho de parto, em Nova York

Mulher foi algemada durante trabalho de parto, nos EUA - Reprodução/Legalaidnyc
Mulher foi algemada durante trabalho de parto, nos EUA Imagem: Reprodução/Legalaidnyc

De Universa

15/03/2020 14h35

Uma mulher de 22 anos entrou com uma ação em Nova York alegando ter sido algemada a uma maca de hospital durante o trabalho de parto, depois de ser presa por uma acusação menor de agressão e que mais tarde foi retirada.

De acordo com o "New York Daily News", o processo movido em nome de "Jane Doe" contra a cidade de Nova York e vários policiais que prenderam a mulher em dezembro de 2018, quando ela estava com mais de 40 semanas de gravidez, alega que ela também foi algemada depois de dar à luz.

A mulher alega que estava dormindo na casa de sua mãe quando policiais bateram na porta para levá-la por uma acusação menor. Ela ficou presa por quase um dia inteiro e teria sido instruída por uma policial mulher a retirar a calcinha para que ela pudesse determinar se de fato iria entrar em trabalho de parto.

Então os policiais finalmente a algemaram a uma maca de ambulância e a levaram ao hospital do condado de Kings, no Brooklyn.

Os policiais alegam que a mulher manteve-se assim por 36 horas, "muitas vezes com um braço e uma perna" amarrados a uma cama de hospital.

A mulher, segundo o processo, lutou para alimentar o filho recém-nascido enquanto um braço estava algemado à cama. Depois que o bebê foi transferido para uma unidade de terapia intensiva neonatal, informa o processo, os policiais não deixaram a mulher visitá-lo sem primeiro amarrar as pernas.

"A polícia de Nova York me fez sentir menos do que humana", disse a mulher. "Fiquei triste e deprimida por meses depois de dar à luz meu filho. Eu só quero que esses oficiais sejam responsabilizados, para que algo assim nunca aconteça com mais ninguém. "

Andrew Jondahl, advogado da Emery Celli Brinckerhoff & Abady, disse em um comunicado: "A NYPD não apenas agiu de forma inconstitucional, como também sem senso comum, já que nosso cliente não apresentava riscos a si próprio ou a qualquer outra pessoa.

"É chocante que anos após as comunidades médicas adotarem uma posição unida contra a prática desumana de prender mulheres grávidas, os oficiais da NYPD continuam a colocar desnecessariamente pessoas grávidas como nossa cliente e seus filhos recém-nascidos em perigo", afirmou Jondahl.

De acordo com o processo, médicos especialistas concordam por unanimidade que as mulheres grávidas não devem ser algemadas, exceto nas circunstâncias mais extraordinárias.

Em 2018, a polícia de Nova York foi processada por um incidente no qual policiais prenderam uma mulher grávida no Bronx, durante o parto e depois que ela deu à luz.

Na sexta-feira, os advogados da mulher entregaram uma carta de reclamação aos hospitais e hospitais de New York City e Kings County, alegando que a equipe médica não interveio para proteger sua saúde e segurança, bem como a do filho recém-nascido.

Violência contra a mulher