PUBLICIDADE

Topo

Direitos da mulher

Por que ir às ruas no Dia da Mulher? Veja pautas que afetam as brasileiras

Ato na Avenida Paulista (SP) pelo Dia Internacional da Mulher, em 2019 - Ana Carla Bermúdez/UOL
Ato na Avenida Paulista (SP) pelo Dia Internacional da Mulher, em 2019 Imagem: Ana Carla Bermúdez/UOL

Nathália Geraldo

De Universa

07/03/2020 04h00

Na luta contra Bolsonaro, machismo, feminicídio, violência obstétrica, racismo e LGBTQfobia. Eventos programados para marcar o Dia Internacional da Mulher, neste domingo (8), têm essas e outras pautas que levarão manifestantes às ruas — parte delas associada ao cenário político do país.

Para muitas mulheres, feministas ou não, o dia 8 de março, mais do que uma data para comemorar conquistas, é uma oportunidade de pedir por direitos iguais. No rol das questões exigidas pelas mulheres, assim, como Universa aborda em várias matérias, entram liberdade do corpo, combate ao patriarcado, à violência contra mulher e à cultura do estupro, equidade salarial, representatividade na mídia, criação de políticas públicas.

Baixo, elencamos alguns motivos que podem te levar a ir às ruas:

O mundo ainda é preconceituoso com as mulheres

Estudo da ONU divulgado na quinta-feira (5) mostrou que nove a cada dez pessoas têm preconceito de gênero no mundo — ou seja, acham que ir à faculdade é mais importante para homens ou que eles são melhores líderes e políticos do que mulheres. Combater esse tipo de sexismo é uma das pautas de movimentos de mulheres em vários países.

Mães continuam cuidando de seus filhos sem ajuda

Combinar o cuidado dos filhos com o trabalho fora de casa e a organização do lar, a chamada "tripla jornada", ainda faz parte da rotina das mulheres — não há equilíbrio de divisão de tarefas entre elas e os homens da família. Segundo dado da Rede Nossa São Paulo, uma a cada cinco mais na Capital paulista precisam dar atenção aos filhos sem a ajuda de ninguém.

Cultura do estupro precisa acabar

O estupro é um assunto preocupante para os brasileiros: se no Pará a lenda do boto foi associada culturalmente a casos desse tipo de crime sexual — algo que precisa ser desmistificado — no país inteiro, infelizmente, mulheres andam pelas ruas com medo de assédio, estupro ou ações violentas de homens. O estupro de vulnerável — São Paulo registra média de uma ocorrência por hora — também precisa ser combatido.

Mulheres estão insatisfeitas com Governo Bolsonaro

Em uma declaração sobre o caso levado à CPI da Fake News da apuração da jornalista Patricia Campos Mello, Jair Bolsonaro disse que a profissional "queria dar um furo", com conotação sexual — algo que atacou não só a jornalista, como todas as mulheres, afirmou a colunista de Universa Nina Lemos. Os nomes de eventos organizados pelo Facebook para dia 8 de março também associam o movimento de mulheres a ações de repúdio ao Governo Bolsonaro.

Feminicídio: por que ainda morremos?

O feminicídio se tornou um crime imprescritível e inafiançável. Infelizmente, continua fazendo vítimas em todo país — em Universa, já contamos história de uma mulher que fez um "diário" sobre o que sofria dentro de casa, pelas mãos do companheiro, que a matou. É preciso conscientizar homens, garantir segurança a essas mulheres, prevenir a violência doméstica. Para isso, mulheres precisam estar unidas.

Fim do racismo e dos preconceitos com minorias

A mulher negra sofre com preconceitos inerentes à intersecção de suas identidades — ou seja, ligada à raça e ao gênero. Não à toa, pesquisa do Google e do Datafolha informou que o feminismo é um dos assuntos mais importantes para a população negra. Além disso, há preconceito contra mulheres que são lésbicas e bissexuais, além do preconceito contra mulheres trans.

Direitos da mulher