PUBLICIDADE

Topo

Mulher é morta pelo namorado após chamar filhos dele de "bastardos"

Os dois estavam juntos há menos de um mês - Arquivo Pessoal
Os dois estavam juntos há menos de um mês Imagem: Arquivo Pessoal

Pedro Paulo Couto

Colaboração para o Universa, em Goiânia

20/02/2020 15h42

O corpo da gerente de um hipermercado Fernanda Souza Silva, de 33 anos, foi encontrado no início da madrugada de hoje enterrado em uma mata perto de Caldas Novas, cidade da região sul de Goiás. A mulher estava desaparecida desde a quarta-feira da semana passada. O principal suspeito do crime é o namorado dela, Alan Pereira dos Reis, de 22 anos, que está preso e confessou ter matado a vítima. Ele mesmo indicou o local onde o corpo estava.

Segundo o delegado Antônio André, o suspeito cometeu o crime após uma discussão com a namorada. "A Fernanda teria chamado os filhos dele de bastardos e por isso ele a matou", explica. Alan tem quatro filhos.

De acordo com o delegado, Fernanda foi morta no dia 12 de fevereiro, na cidade de Bela Vista de Goiás, na região metropolitana de Goiânia, onde ela morava. O suspeito teria estrangulado a vítima e depois a atingido com pedaços de pau. Em seguida, colocou o corpo no carro dela e seguiu até perto de Caldas Novas. No outro dia, voltou ao local, queimou o corpo e o enterrou na mata.

O delegado explica que após ter enterrado o corpo, o suspeito buscou a ex-mulher com dois filhos pequenos e foi até um shopping e um supermercado da capital fazer compras com o cartão da vítima. "A ex-companheira do Alan relatou que o carro estava com cheiro estranho e que quando desceu as compras em casa uma das frutas estava suja de sangue", afirmou Antônio André.

Na volta a Bela Vista de Goiás, ele escondeu o carro da vítima em uma área de mata fechada, na zona rural. O veículo foi encontrado pela polícia nessa quarta-feira e encaminhado para perícia. Segundo a delegada regional, Cybelle Tristão, a suspeita sobre o namorado começou quando na sexta-feira passada ele esteve na Delegacia de Bela Vista de Goiás com a família da vítima para fazer a ocorrência do sumiço da gerente. Ela contou que Alan ficou nervoso e entrou em contradição.

Após o boletim de ocorrência, ele também desapareceu, sendo preso no dia 18 de fevereiro em Marianópolis, no Tocantins, seguindo de ônibus para o estado do Pará. Ele foi detido pois estava com o celular da mulher e a Polícia conseguiu rastrear o aparelho. Alan também estava com duas facas e quase R$ 600.

Os dois estavam juntos há menos de um mês. O suspeito agora deve responder por latrocínio, que é roubo seguido de morte, uma vez que usou o cartão da vítima após o crime. A Polícia Civil investiga se ele teve a ajuda de mais alguém para cometer o assassinato.

A reportagem de Universa não conseguiu localizar a defesa do suspeito.

Violência contra a mulher