PUBLICIDADE

Topo

Diretora pede a alunos "chicote do bom" para bater em professora negra

Alunos protestaram após professora ser vítima de racismo em escola em Maceió - Arquivo pessoal
Alunos protestaram após professora ser vítima de racismo em escola em Maceió Imagem: Arquivo pessoal

Carlos Madeiro

Colaboração para o UOL, em Maceió

05/02/2020 21h13

O aniversário de 25 anos da professora Taynara Cristina Silva ficará marcado na lembrança dela por toda vida. Na manhã de ontem, ao dar aula a jovens no Colégio Agnes, em Maceió, ela alega ter sido vítima de um ato de preconceito racial por parte da diretora e proprietária da instituição enquanto ministrava aula de redação a alunos do 3º ano do ensino médio.

A professora é estudante do 6º período de Letras da Ufal (Universidade Federal de Alagoas) e ensina gramática, redação e interpretação de texto desde 2017 no tradicional colégio da capital alagoana.

Na manhã de hoje, Taynara fez um Boletim de Ocorrência denunciando o caso à polícia. O Sindicato dos Professores de Alagoas também prestou queixa alegando injúria racial.

Ao UOL, a professora relatou o ocorrido: "A diretora chegou na aula falando que eu seria culpada pelo filho —que trabalha na administração da escola— ter batido o carro porque estava falando comigo no WhatsApp. Aí uma aluna levantou e disse que errado estava ele, porque usou o telefone dirigindo. A diretora respondeu dizendo: 'A Taynara é muito ousada. Quando vocês forem a Ouro Branco [no sertão de Alagoas], onde tem o melhor couro, compre um chicote do bom para eu dar uma chicotada nela para que ela relembre do tempo que ela pretende voltar —e que fala tanto sobre'", conta.

Taynara relatou que, após a fala, e diante da repercussão com os alunos que questionaram a fala de cunho racista, a diretora tentou remediar a situação.

"Disse que foi um teste, que foi brincadeira 'para ver se vocês estão absorvendo a aula'", conta. "Só que isso não existe nem de brincadeira. Quando ela saiu da sala, algumas alunas negras choraram pelo ato. Eu também chorei horrores", completa.

Ainda na manhã de ontem, a diretora teria procurado Taynara para pedir desculpa pela fala. "Ela disse que a empregada dela é como se fosse da família e que foi uma brincadeira. E ainda disse que poderia ter escolhido uma professora branca, mas me escolheu 'mesmo sendo negra'. E eu respondi que não sou competente apesar de negra: eu sou competente e negra", afirma.

Protesto

Nesta manhã, alunos e ex-alunos fizeram um ato de protesto em frente à escola. Pelo menos dois deles confirmaram à reportagem a fala da diretora e constrangimento após o ato.

"Estou sendo muito abraçada, as pessoas estão muito preocupadas, querendo se solidarizar. Esse tipo de coisa mexeu com minha luta negra-feminista-classista. Isso precisa ser corrigido, precisa ser feita justiça. Além de tudo que aconteceu, tenho obrigação com meu alunato, para provar que eles não estavam errados, que aprenderam corretamente."

A professora ainda revelou ao UOL que não tem carteira de trabalho assinada e pretende acionar a Justiça do Trabalho em denúncia de assédio moral.

Em nota, a OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) em Alagoas manifestou apoio à professora e classificou o ato como injúria racial. "É inaceitável que atos discriminatórios e racistas continuem sendo praticados. Preconceito e segregação não podem mais ser tolerados", diz o texto.

A escola não se manifestou publicamente sobre o ato da diretora, nem as ligações feitas pela reportagem hoje à tarde foram atendidas. Em entrevista à "TV Gazeta", o diretor da escola Matheus Oliveira disse que a instituição repudia "qualquer tipo de preconceito racial, de classe e orientação sexual" e prometeu apurar o caso.

"Eu não estava presente na situação. Mas o que posso falar é que o colégio está tomando providências para resolver isso da melhor maneira possível. A gente já está correndo atrás para elucidar tudo da melhor maneira e mais rápida", afirmou.

Diversidade