PUBLICIDADE

Topo

"Nós transamos errado" e outras frases sensatas de Marcela no BBB

Marcela, do BBB, já militou muitas vezes no programa - Reprodução / Instagram
Marcela, do BBB, já militou muitas vezes no programa Imagem: Reprodução / Instagram

Ana Bardella

De Universa

31/01/2020 18h37

Marcela Mc Gowan deixou claro, desde a apresentação antes de entrar na casa do BBB 20, que é feminista. "Tenho um pouco de preguiça daqueles héteros topzera. Não gosto de homem muito machão", disse. Ela, que é ginecologista e trabalha em um coletivo de partos humanizados em São Paulo, usa as redes sociais para falar sobre sexualidade, ginecologia natural e se especializou no atendimento da população LGBTQ+. Muito do seu interesse pelo assunto veio da convivência com o irmão, Enzo Lins, que é transexual.

Relembre a seguir cinco vezes em que a médica militou em frente às câmeras do reality:

1. "Nós transamos errado"

Marcela defendeu que, como sociedade, nosso sexo é feito da maneira errada. "Temos uma geração de meninas que querem transar com um príncipe e uma geração de caras que querem transar com uma vadia do pornô. Eles têm que se entender um belo dia da vida deles. E ninguém explicou nada. Então começam a perfomar. As meninas acham que o legal é rebolar, gemer, fazer mil e uma manobras para os caras acharem elas incríveis e acabam se esquecendo do próprio prazer. Mas ninguém aguenta performar a longo prazo, é um saco".

2. "Ia abrir mão do BBB por celulite?"

Em conversa com outras participantes, Marcela relembrou que, pouco antes de entrar na casa, teve inseguranças sobre a sua aparência e medo de ser julgada. Mas, logo em seguida, se deu conta de que seria injusto abrir mão de uma experiência como o BBB por causa das celulites. "Cada pessoa vai ter o corpo possível para a sua realidade e tudo bem", opinou.

3. "Tem que saber orientar direito as pessoas"

Conversando sobre o dia a dia profissional, Marcela explicou que, no consultório onde atende, não existe mesa que a separa dos pacientes. Falou sobre como é o atendimento aos homens trans. Também disse que é necessário ter sensibilidade com mulheres que não estão acostumadas a terem relações sexuais com penetração. "Para elas é ruim colocar o espéculo, por exemplo".

4. Igualdade e equidade são coisas diferentes

Em outro momento, a ginecologista explicou a diferença entre "igualdade" e "equidade". Em seguida, opinou: "Se você pisa no pé de alguém, não fica discutindo se aquilo aconteceu ou não. Simplesmente, pede desculpa. Com o machismo e o racismo acontece a mesma coisa: se a pessoa te sinalizou que algo não foi legal, o certo é desculpar".

Direitos da mulher