PUBLICIDADE

Topo

Mães e filhos

Deborah Secco sobre Maria Flor: "fico tentando fazer com que ela se ame"

Deborah Secco será Alexia em "Salve-se Quem Puder" - Reprodução/Instagram
Deborah Secco será Alexia em 'Salve-se Quem Puder' Imagem: Reprodução/Instagram

De Universa, em São Paulo

31/01/2020 12h37

Deborah Secco falou à "Quem" sobre maternidade, sua relação com o trabalho e a fama, o casamento com Hugo Moura, e sua imagem pública. Falando da pequena Maria Flor, de quatro anos, a atriz mostrou que pretende criá-la com liberdade.

"Fui criada no catolicismo, mas não tenho mais religião. Acredito em uma força que faz com que tudo aconteça. Essa força se apresenta para mim de uma forma muito clara. Eu acredito nesta força. Tem gente que não acredita", explicou. "Vou deixar a Maria acreditar no que ela quiser. Tento deixá-la livre para ela saber se tem a conexão com algo ou com nada".

Já sobre autoestima, Deborah contou que as lições são de filha para mãe, tanto quanto de mãe para filha. "Fico tentando fazer com que ela se ame o máximo que ela puder. Mas a Maria me ensina muito mais do que eu ensino a ela", notou.

"Esses dias eu falei: 'Maria, você é a mais linda do mundo'. Ela me respondeu: 'Não, mamãe. Todas são lindas iguais'", contou ainda.

"Sincerona"

Na ativa desde a infância, Deborah contou que não foi fácil conciliar-se com sua imagem pública."Ser vista e ser julgada não é tão fácil à primeira vista. Quando você é vista por muitos, é julgada por muitos. Isso pode não ser muito confortável, mas não tinha solução. Minha vida era aquilo", disse.

"Não sou aquela pessoa que fala uma coisa e faz outra. Eu errei milhões de vezes e erro. Se eu pudesse ter a minha cabeça de hoje antes, ia ser ótimo, mas não tinha. Não me orgulho de tudo o que eu fiz e de tudo que conto, mas prefiro ser sincera do que ser hipócrita e mentirosa", cravou ainda.

"Minha mãe sempre me falou: 'Seja quem você quiser. Foda-se para o que os outros vão achar. Tenha apenas sua consciência tranquila, não faça mal a ninguém e siga de cabeça erguida, que a gente não deve nada a ninguém'. Eu não devo mesmo nada a ninguém!", continuou.

"Existem pessoas que erram menos do que eu e pessoas que erram mais que eu, mas não existem pessoas que não erram. Pelo menos eu tenho um grande mérito de ser honesta e de tentar aprender com os meus erros", completou.

Talvez por estar tanto tempo no jogo da fama, ela evita se posicionar muito enfaticamente sobre temas políticos. "Até hoje não me sinto uma pessoa preparada para ser exemplo", justificou.

"As pessoas sempre falam que hoje em dia a gente precisa de causas. Eu apoio todas as causas, sou das minorias. Mas não tenho embasamento, estudo e nem lugar de fala suficiente para comprar essa luta pra mim. Meu lugar é ouvir, aprender e cada vez tentar ser melhor em um mundo tão injusto para as mulheres, gays, negros, pobres", disse ainda.

Saúde e sexo

A atriz contou também que "entende plenamente o seu privilégio" nas questões de saúde e beleza.

"Eu nunca tive relação muito compulsiva com o corpo, porque sempre o coloquei à disposição do meu trabalho. Se ele tivesse que ficar mais bonito, ia ficar mais bonito, se tivesse que ficar mais cheinho, eu ia engordar... Como sempre tive essa facilidade de emagrecer, sou muito feliz com ele", disse.

"Ainda tenho compulsão alimentar. Comer é algo que me acalma e me traz felicidade. Graças a Deus, o meu corpo reage bem ao tanto que eu como. Sou uma pessoa que come muito. Não consigo comer tão saudável quanto eu gostaria", admitiu.

"Não faço dieta, estou tentando voltar a fazer ginástica. Estou há uns cinco anos sem fazer nada. Não sei explicar. É de genética", brincou ainda.

Sobre a relação com Hugo Moura, ela revelou o que faz o casal dar certo. "A gente respeita muito o nosso indivíduo. Eu amo o Hugo, mas não o amo por ele ser meu marido. Amo o Hugo porque ele existe, seja do meu lado ou em qualquer lugar do mundo", filosofou.

"A Maria sabe muito bem que papai e mamãe saem para namorar, e de quão importante é nós sermos namorados para sermos felizes juntos. Ela entende essa necessidade de ficarmos juntos", contou ainda.

"O sexo é 100% [importante], senão a gente vira irmão e amigo. Mudou a intensidade, quando a Maria nasceu, mas tento fazer com que se equilibre", garantiu também.

Mães e filhos