PUBLICIDADE

Topo

Mães e filhos

Jovem do MS descobre que está grávida de 39 semanas um dia antes do parto

"Nunca senti enjoo, nem mesmo a criança mexer. Eu nunca cogitei estar grávida", contou Débora Julião Martins, de 23 anos - Reprodução/Facebook
"Nunca senti enjoo, nem mesmo a criança mexer. Eu nunca cogitei estar grávida", contou Débora Julião Martins, de 23 anos Imagem: Reprodução/Facebook

De Universa, em São Paulo

13/01/2020 18h45

Uma dor abdominal muito forte, uma ida ao hospital e a surpresa: Débora Julião Martins, de 23 anos, estava grávida de 39 semanas - e já com quatro centímetros de dilatação. Em entrevista à revista Crescer, a sul-matogrossense relatou como descobriu que seria mãe a apenas um dia do nascimento de Téo.

Tudo começou quando Débora estava no centro de sua cidade, Campo Grande, para comprar roupas para o seu aniversário. Ela começou a sentir um desconforto abdominal muito grande e sua barriga ficou estufada.

Débora tentou ignorar a dor e continuou o passeio, mas logo começou a sentir também uma cólica. "Ela durava um minuto, depois parava e voltava novamente. Então, decidi ir para a casa e tomei um banho para aliviar a dor", lembrou. Mas não adiantou - e Débora, então, decidiu ir ao hospital.

Lá, um exame detectou que ela estava com uma pequena infecção. Os médicos começaram a medicá-la, mas nada fazia a cólica passar. Foi aí que decidiram fazer um teste de gravidez, apenas para desencargo de consciência, e... Deu positivo.

"Eu nunca senti enjoo, nem mesmo a criança mexer. Como minha menstruação sempre foi desregulada, um mês descia duas vezes, no outro não descia nada... Eu nunca cogitei estar grávida", contou.

Para a nova - e surpresa - mamãe, a notícia também foi um alívio. "Como eu bebia e fumava, achei que poderia ser um câncer. [Depois do parto] Eu o abracei e pedi desculpas por tudo que havia feito durante a gravidez, porque não sabia que ele estava ali dentro", lembrou.

No dia seguinte, Débora foi com a mãe à maternidade para fazer ultrassom e exame de toque. A enfermeira responsável logo informou que ela já poderia passar pelo médico porque estava com quatro centímetros de dilatação.

O parto foi normal e doloroso, segundo Débora. "A sensação era de que a dor nunca mais passaria. Eu gritei muito! Quando ele nasceu, foi o maior alívio da minha vida", admitiu.

A vida com um recém-nascido

À Crescer, Débora contou que Téo está saudável e não chora para nada. "É uma criança que carrega uma paz, nos passa tranquilidade. É o homem da família hoje, já que moramos [ela e a mãe] só com mulheres", disse.

Débora não estava preparada para uma gravidez, mas tem conseguido focar seu tempo em Téo porque está desempregada. Apesar de feliz, a mamãe de primeira viagem ainda está em choque com tudo o que aconteceu.

"Eu olho bastante para o rostinho dele e fico muito preocupada. Ser mãe de primeira viagem é surreal. A todo momento estou checando a respiração dele", revelou.

Mães e filhos