PUBLICIDADE

Topo

Mães e filhos

Cameron Diaz foi mãe aos 47 anos: prós e contras da maternidade tardia

Cameron Diaz adiou a maternidade: veja os prós e contras - Reprodução / Instagram
Cameron Diaz adiou a maternidade: veja os prós e contras Imagem: Reprodução / Instagram

Ana Bardella

De Universa

04/01/2020 16h04

Ontem (3) a atriz Cameron Diaz e seu esposo, o músico Benji Madden, anunciaram o nascimento da primeira filha, Raddix Madden. Além da discrição do casal sobre a gravidez, que vinha sendo mantida sob sigilo, outro fato chamou a atenção do público: a atriz hollywoodiana se tornou mãe aos 47 anos. Apesar de a informação não ter sido confirmada oficialmente, a especulação é de que Cameron teria passado por um processo de fertilização in vitro.

Assim como a atriz, pesquisas recentes mostram que o adiamento da gravidez é uma tendência no Brasil. Segundo dados do IBGE, o número de mulheres que se tornaram mães após os 40 anos saltou de 48 mil em 1998 para 91 mil em 2018. De acordo com a psicóloga Fernanda Aoki, a diferença com relação às gerações passadas deriva da importância que o trabalho tem conquistado na identidade feminina.

"As mulheres têm se preocupado cada vez mais com a profissão e adiam a maternidade para evitar um intervalo em suas carreiras", aponta. A profissional ainda chama atenção para o recorte social: "O pensamento é mais presente entre as mulheres de classe média do que as de classe baixa, uma vez que no segundo grupo a gravidez precoce ainda é uma realidade", completa.

Diante do cenário, o questionamento: quais as vantagens e os desafios de ser mãe depois dos 40 anos? A seguir, a especialista comenta o assunto:

Obstáculos

"O principal desafio das mulheres que pretendem adiar a gravidez é o biológico. Muitas delas precisam recorrer a tratamentos para conseguirem realizar o desejo de serem mães. Além disso, a carreira não deixa de ser um empecilho: primeiro porque é necessário fazer uma pausa na ascensão profissional; segundo porque existe uma cultura no Brasil de não acolher as mulheres no mercado de trabalho depois da gravidez. Muitas deles enfrentam dificuldades para se reposicionar", aponta.

Mesmo quando conseguem retornar às suas atividades normalmente, existe o desafio de conciliar as jornadas. "Em alguns casos, os pais ou outros parentes das mulheres na faixa etária dos 40 anos precisam de cuidados. Com isso, elas precisam se desdobrar entre a profissão e os cuidados com o bebê e demais membros da família. Algo recorrente nelas é o sentimento de culpa, por não conseguirem lidar com tudo da maneira como gostariam".

Segurança e maturidade

Por outro lado, os benefícios de se tornar mãe mais tarde do que a média são muitos. "A tendência é que o passar dos anos traga maturidade e segurança para as mulheres. Elas são mais independentes, passaram por muitas experiências do ponto de vista psicológico e se sentem independentes dos seus filhos. Com isso, conseguem transmitir segurança e tranquilidade na educação deles, oferecendo suporte quando necessário, mas sem sufocá-los", detalha a psicóloga.

Outro ponto positivo é a estabilidade financeira, que tende a ser conquistada com o passar dos anos. "Graças ao planejamento que envolve a gravidez, a criança se sente importante e querida. Por ter uma rede de segurança ao lado dela, pode se sentir mais a vontade para desenvolver a autonomia e a criatividade", aponta.

Mães e filhos