PUBLICIDADE

Topo

Moda

Porteiro acha revistas de moda no lixo, abre agência e estrela documentário

Documentário retrata relação com moda na comunidade de Jacarezinho, zona norte carioca - Francisco Van Steen Proner Ramos/Divulgação
Documentário retrata relação com moda na comunidade de Jacarezinho, zona norte carioca Imagem: Francisco Van Steen Proner Ramos/Divulgação

Marcos Candido

De Universa

18/12/2019 04h00

Ele era porteiro em um prédio de Copacabana quando encontrou algumas revistas de moda jogadas no lixo. Ao folheá-las, o hoje o empresário Júlio César Lima não achou em nenhuma delas modelos que reproduzissem estilo, cor de pele ou cabelos da periferia onde morava.

Foi assim que Júlio criou a Jacaré Modas, e é um dos personagens retratados pelo cineasta Emílio Domingos no documentário "A Favela É Moda". Ao longo de quatro anos, o documentarista filmou a história de modelos e pessoas ligadas ao mercado fashion da comunidade na zona norte do Rio. Nas imagens há desde sonho com o sucesso nas passarelas a discussões sobre racismo, autoestima e falta de representatividade.

"Favela é Moda" estreou no Festival do Rio na última sexta. Ainda não há data para ser exibido para São Paulo.

Assista a um trecho de "Favela É Moda"

O início dessa jornada iniciada em 2015 também parece ter saído de um livro.

Em "Favela É Moda", o documentarista Emilio Domingos história de agências de modelos na periferia carioca que discutem racismo e representatividade - Divulgação/Osmose
Em "Favela É Moda", o documentarista Emilio Domingos história de agências de modelos na periferia carioca que discutem racismo e representatividade
Imagem: Divulgação/Osmose
Emílio já havia lançado o documentário "A batalha do passinho", em 2012, sobre campeonatos de bailarinos funks, e "Deixa na régua", de 2016, no qual retrata a identidade periférica criada por cabeleireiros talentosos.

Com o sucesso dos dois documentários, Emílio recebeu um telefonema de um representante de uma grife de moda. Do outro da linha, ouviu uma proposta para escalar pessoas negras para uma campanha publicitária.

"A maioria da população brasileira é negra. Mas ele, como diretor de branding, não tinha esses contatos. Ali, ele me apresentou um problema. A maioria não é representada", relembra.

O documentarista Emilio Domingos (foto), autor da chamada "Trilogia do Corpo", começada com o documentário "A batalha do passinho" - Divulgação/Osmose Filme
O documentarista Emilio Domingos (foto), autor da chamada "Trilogia do Corpo", começada com o documentário "A batalha do passinho"
Imagem: Divulgação/Osmose Filme
Do início das filmagens até hoje, o mercado da moda investiu em incluir diferentes tipos de corpos em campanhas publicitárias. Segundo Emílio, com mais negros e pessoas periféricas nas universidades, as marcas foram pressionadas a discutir representatividade. Mas quem passou por uma vida sem se ver nas capas de revistas ainda mantém reservas sobre o tema.

Trecho do documentário "Favela é Moda". Na foto, o ex-porteiro que abriu uma agência de moda em Jacarezinho  - Reprodução/YouTube
Trecho do documentário "Favela é Moda". Na foto, o ex-porteiro que abriu uma agência de moda em Jacarezinho
Imagem: Reprodução/YouTube
"Existe uma visão crítica dos modelos [sobre a maior inclusão]. Eles sentem a mudança, mas não entendem se é moda ou permanente. A mudança, dizem eles, também se dá por questões econômicas para se adequar a um novo mercado consumidor", diz.

Tradutor: Revistas no lixo deram origem à agência de modelos da favela

Moda