PUBLICIDADE

Topo

Mães e filhos

Aos 33, Monique Alfradique vai congelar óvulos em 2020; entenda a técnica

Monique Alfradique declarou que pretende congelar óvulos no ano que vem - Reprodução/Instagram
Monique Alfradique declarou que pretende congelar óvulos no ano que vem Imagem: Reprodução/Instagram

De Universa

10/12/2019 13h11

Recentemente em entrevista ao GShow a atriz de 33 anos Monique Alfradique declarou que deseja ser mãe, mas não agora. Mesmo estando em um relacionamento com o empresário baiano Gabriel Drummond, ela pretende adiar os planos de ter um filho. Por causa disso, entre suas metas para 2020 está o de fazer um congelamento de óvulos.

"Ainda não congelei, mas é uma decisão que já tomei. Nós mulheres mudamos, ganhamos o mundo, temos nossas conquistas pessoais, planos de se profissionalizar, ganhar nosso dinheiro, nos tornar mais competitivas no mercado de trabalho... E esse mundo ficou muito convidativo. Só que temos nosso relógio biológico e aí é preciso pensar sobre o desejo de ser mãe."

"Como é algo que dá para prolongar, já que temos a medicina a nosso favor, tomei essa decisão. Hoje somos donas das nossas escolhas, isso que é o mais importante: decidir nosso tempo e o que vai nos fazer feliz", declarou.

Ela não é a primeira famosa a se submeter ao procedimento. Paolla Oliveira e Camila Rodrigues também optaram pelo congelamento.

Entenda a seguir como é feito:

O procedimento também é conhecido como vitrificação ou criopreservação. Inicialmente, era usado exclusivamente como alternativa para mulheres diagnosticadas com câncer. Isso porque a quimioterapia e a radioterapia ao mesmo tempo em que destroem as células tumorais, também podem atingir as células germinativas, causando infertilidade. Agora, o procedimento, como alternativa para uma gravidez programada tem levado muitas mulheres a clínicas de fertilização no país todo.

Passo a passo

A primeira fase começa junto com a menstruação da paciente, que recebe uma injeção diária de hormônios estimulantes da ovulação, durante dez dias ininterruptos. A aplicação é subcutânea e feita na região do abdômen. Via de regra, toda mulher produz um óvulo por mês. Com o estímulo, a quantidade sobe para cerca de 15.

A segunda etapa acontece dois dias depois e envolve uma punção sem cortes, realizada por meio de um ultrassom vaginal. Nesta fase, os óvulos são aspirados e, em média, oito deles são congelados. O processo todo leva duas semanas.

A coleta

O procedimento é realizado na clínica de fertilização e a paciente é liberada no mesmo dia da punção. O médico usa anestesia, mas por se tratar de um procedimento simples, não há a necessidade de entubação. A técnica é indolor, mas algumas mulheres chegam a ter cólicas leves e pontuais após a coleta.

Existe uma idade mais aconselhada?

Os especialistas orientam que o congelamento de óvulos seja feito até os 35 anos. Esta é uma idade decisiva para as mulheres. A partir deste momento, elas se deparam tanto com a diminuição da quantidade, quanto da qualidade dos óvulos produzidos por folículos que estão em processo de envelhecimento. Essa perda de qualidade impacta diretamente na diminuição de chances de fecundação do óvulo pelo espermatozoide e no aumento de riscos de doença genética, como a conhecida Síndrome de Down. De maneira natural, as chances de gravidez entram em queda acentuada a partir dos 40. "Se aos 35, a futura mãe tem 60% de chances de engravidar; aos 40, ela tem 30%; aos 42, a taxa vira 15%; e aos 43, cai para 7%", explica o ginecologista Carlos Alberto Petta.

Toda mulher pode congelar?

Sim, desde que não tenham entrado em processo de tratamento de câncer. Neste caso, especialistas sugerem que o congelamento seja feito antes do ciclo medicamentoso, que atinge as células germinativas, aumentando os riscos de infertilidade.

Tem riscos?

Há doze anos, quando a técnica se tornou mais conhecida, havia uma preocupação com a síndrome do hiperestímulo ovariano, que poderia resultar em complicações graves, como inchaço dos ovários e acúmulo de líquido no abdômen. Hoje, os especialistas garantem que o avanço da medicação tornou a prática bastante segura e isenta de riscos.

Os óvulos têm prazo de validade?

Não. As técnicas avançadas permitem que os óvulos sejam mantidos congelados por tempo indeterminado. Além disso, 99% deles sobrevive ao descongelamento.

Existe diferença entre a gravidez de um óvulo comum e a de um congelado?

A diferença está apenas na fertilização. O óvulo congelado precisará ser fecundado por meio de um tratamento de fertilização in vitro. Depois de fertilizado, o óvulo se comporta exatamente igual em ambos os casos. E vale ressaltar que o descongelamento não provoca perda de qualidade do óvulo.

É possível descartar os óvulos congelados?

O descarte dos óvulos pode ser feito a qualquer momento, assim que a mulher achar mais oportuno. Ele será feito pela própria clínica de fertilização, após a assinatura de um termo de responsabilidade. Se preferir, a paciente pode ainda encaminhá-los para a doação, desde que de maneira anônima. Ou seja, não é permitido escolher para quem eles serão doados.

Qual a diferença do congelamento de óvulos para o congelamento de embrião?

Enquanto o congelamento de óvulos se restringe ao gameta feminino, o de embriões é resultado de uma fertilização in vitro do óvulo com o espermatozoide. Isso significa que o embrião pertence a duas pessoas, um homem e uma mulher. Por isso, todas as decisões sobre descarte - que, neste caso, só pode ser feito obrigatoriamente depois de cinco anos - e descongelamento devem ser conjuntas. Burocraticamente, o segundo processo é mais complexo.

* Com informações da matéria Congelamento de óvulos deve ser feito até os 35 anos; entenda como funciona, publicada em 27 de julho de 2017.

Mães e filhos