PUBLICIDADE

Topo

"Feminismo é poder escolher, não é uma onda", diz Marina Ruy Barbosa

A atriz também pregou respeito à militância feminista, responsável pelas conquistas das que as mulheres podem usufruir hoje - Reprodução/L"Officiel Brasil
A atriz também pregou respeito à militância feminista, responsável pelas conquistas das que as mulheres podem usufruir hoje Imagem: Reprodução/L'Officiel Brasil

De Universa, em São Paulo

05/12/2019 17h59

Marina Ruy Barbosa saiu em defesa do feminismo, criticou a imposição de padrões de beleza e falou sobre autoestima em entrevista para a edição de dezembro da revista L'Officiel Brasil, à que Universa teve acesso em primeira mão.

"Feminismo é poder escolher, não é uma onda", disse a atriz. "É um movimento crescente em busca pela igualdade de direitos que salva mulheres e faz das sociedades lugares mais justos. Eu tento fazer minha parte", completou.

Marina ainda pregou respeito à militância feminista, grande responsável pelas conquistas das que as mulheres podem usufruir hoje. "Temos que fazer valer essa luta. O mundo está mudando e é maravilhoso que estejamos fazendo parte disso. É aprender o novo e deixar para trás pensamentos que reproduzimos por gerações e gerações", opinou.

A atriz também criticou a competição feminina, muitas vezes fomentada nas redes sociais por pessoas que até adotam "discursos perfeitos" sobre o feminismo. Marina acredita que esse tipo de comportamento deve ser combatido, seja privadamente ou em grande escala, porque atrapalha relações saudáveis entre mulheres.

Perguntada sobre a luta contra os padrões de beleza, Marina a definiu como "necessária e lenta". "Existe uma pressão para se manter muito magra. Há algum um tempo, tinha tirado os sisos e vindo de uma sinusite forte, e óbvio que estava inchada. Tive um evento e precisei ler muitos comentários maldosos sobre como eu não era 'tão bonita assim'", contou.

Marina ainda revelou que sempre amou o próprio corpo, mas admitiu que o caminho para a aceitação é árduo. "A autoestima é um exercício permanente. Claro, difícil achar uma mulher que não queira mudar um detalhe ou outro. E tudo certo! Não está feliz, muda. Mas não se maltrate, não se exija, não se mutile. Se ame!", incentivou.

Autoestima