Topo

Estatal húngara deixa concurso musical europeu e é acusada de homofobia

Madonna se apresenta na final do concurso Eurovision deste ano - Orit Pnini/Kan/Handout
Madonna se apresenta na final do concurso Eurovision deste ano Imagem: Orit Pnini/Kan/Handout

De Universa, em São Paulo

28/11/2019 14h17

A Hungria desistiu de participar do concurso de músicas da Eurovision, segundo a imprensa local, por considerar o programa europeu "muito gay".

Tradicionalmente, a emissora pública gerida pela MTVA era a responsável por um próprio concurso que classificava o vencedor para a Eurovision, que conta com representantes dos demais países do continente.

A emissora, porém, desistiu de ser a responsável pela indicação à edição europeia do programa sob alegação, oficialmente, de que vai prestigiar a cultura local.

"Em vez de participar do Eurovision Song Contest em 2020, apoiaremos as valiosas produções criadas pelos talentos da música pop húngara diretamente", disse a emissora ao jornal britânico The Guardian.

Por outro lado, o site húngaro index.hu citou fontes da mídia pública especulando que o país havia se retirado porque a Eurovision era considerada "muito gay".

Recentemente, um comentarista pró-governo se referiu à competição como "flotilha homossexual" e disse que a saúde mental do país seria melhor se não participasse da competição.

A Hungria é governada desde 2010 por Viktor Orban, representante da direita no país. Recentemente, ele disse que os países europeus devem promover "modelos tradicionais de família" e encorajar os casais cristãos a terem mais filhos.

Diversidade