Topo

Sexo

Dançar para gozar? Ela explica como a prática está ligada ao orgasmo

Camilla Pires: o orgasmo pode ser facilitado com dança - Arquivo Pessoal
Camilla Pires: o orgasmo pode ser facilitado com dança Imagem: Arquivo Pessoal

Christiane Ferreira

Colaboração para Universa

27/11/2019 04h00

O caminho para o autoconhecimento não é igual para todos. Alguns seguem a busca por meio da religião, outros com a ioga ou meditação, ou qualquer outra prática que traga paz e conexão espiritual. Isso vale para todas as áreas da vida, inclusive a sexualidade. Nesse caso, a música e a dança podem liberar bloqueios, inclusive os de ordem sexual.

Após um relacionamento abusivo, a reeducadora sexual Camilla Pires, que antes era influencer digital -, ligada ao corpo, à aparência e focada em dietas -, mergulhou em si mesma. Frequentou retiros espirituais, aprendeu a meditar, descobriu o tantra e outras práticas que integram o vínculo do corpo com a mente.

Hoje, ela estimula mulheres a se reconectarem com seu feminino e, assim, atingir orgasmos por meio da dança. "A música e o movimento corporal ajudam a criar uma ligação com a natureza erótica. O prazer começa nas pequenas coisas e não estou falando apenas sobre o sexo. Conforme a mulher se movimenta, torna-se mais fácil acessar a sua essência feminina."

Camilla ressalta que a música ajuda a libertar as emoções — raiva, tristeza, prazer, felicidade —, que afloradas, são um caminho para encontrar a potência orgástica. "Não é somente o pico do clímax. Com a dança é possível fazer com que nossa energia sexual flua livremente, causando uma sensação de êxtase. Na bioenergética corporal há diversas maneiras de se sentir prazer, que não são obtidas só com o orgasmo clitoriano."

Para ela, a dança é uma forma de a mulher se libertar de crenças repressoras de que sexo e prazer são sujos e também das convicções impostas pela sociedade machista. "Ela precisa se sentir merecedora e segura. Às vezes, algumas têm medo, pois não sabem o que vão encontrar do outro lado do caminho."

"Encontrei liberdade na dança"

A gerente de qualidade Rafaella Fabris, 33 anos, que mora há dez anos na Alemanha, foi buscar o autoconhecimento após o nascimento da filha, de um ano e meio. "Passei a vida inteira odiando meu corpo, sempre estava insatisfeita. Depois do parto vi fotos antigas e percebi que não fazia sentido aquele descontentamento. É claro que isso afetava diretamente a minha sexualidade com meus parceiros e parceiras. Depois da gravidez, mesmo com as mudanças do meu corpo, passei a me enxergar de uma outra forma e fui buscar ajuda para me aceitar."

Durante o processo, Rafaella se deu conta que a sexualidade ficou em segundo plano por conta da maternidade, principalmente em virtude da rotina cansativa. Por estar em outro país, sua rede de apoio é pequena. No processo de autoconhecimento fez uma mentoria a distância, que alia práticas de meditação, dança e tantra. "A dança foi libertadora. Os ritmos e sons misturados simplesmente fazem com que eu não pense em nada, só nos movimentos. Presto atenção na respiração, ao meu corpo e aos poucos vou me tocando. Na hora em que estou me acariciando sinto aceitação. Com a experiência sinto que fico mais aberta ao prazer", comenta Rafaella.

Orgasmo da pele

A música é responsável por trazer à tona emoções, calafrios, frissons e até o chamado 'orgasmo da pele'. A descoberta foi feita pela pesquisadora de psicologia e neurociência Psyche Loui, que também é musicista e professora-assistente da Northeastern University, nos Estados Unidos. "O termo orgasmo da pele implica em uma sensação agradável, que afeta diferentes partes do corpo, dependendo da pessoa e das circunstâncias da indução, e mantém componentes biológicos e psicológicos sensoriais. A experiência musical traz as mesmas vias de recompensa neural que os prazeres viscerais da comida e do sexo", afirma a pesquisadora em sua tese.

Como acessar sua energia sexual dançando

Segundo a reeducadora sexual Camilla Pires, qualquer mulher pode conseguir prazer com a dança. A dica dela é encontrar um local seguro, preparar o ambiente, arrumar a bagunça, como se estivesse ajeitando a casa para seduzir a si mesma. "Acender um incenso, uma vela, colocar músicas cujas melodias despertem algo lá dentro. É preciso se permitir criar espaços dentro da rotina. Às vezes, esquecemos de acessar a energia que nos nutre de amor próprio. É um ritual de auto prazer quando ela se permite dançar, se tocar, respirar e se conectar com seus sentimentos", afirma Camilla, cujo perfil no Instagram é @curadelas.

Sexo