Topo

Mia Farrow, sobre denúncia da filha contra Allen: "Sabia que seria atacada"

A atriz Mia Farrow  - Ben Gabbe/Getty Images for Time
A atriz Mia Farrow Imagem: Ben Gabbe/Getty Images for Time

De Universa

02/11/2019 11h22

A atriz americana Mia Farrow relembreu a repercussão da denúncia de abuso sexual feita pela filha, Dylan, contra o diretor Woody Allen, com quem Mia se relacionou por 12 anos, em uma entrevista ao jornal The Telegaph. Dylan, contou à mãe, em 1992, aos sete anos, que era abusada por Allen — ela revelou publicamente a história em 2014, em um artigo publicado no The New York Times. Allen nega que tenha violentado Dylan.

Mia falou sobre o apoio à filha e os ataques após a revelação. "Tendo passado por tudo o que passei, sei que é isso que acontece com uma mulher em particular. E se você é mãe e apoia a sua filha, está pronta para isso ', diz ela. "Quando minha filha falou [em 2014] eu a apoiei totalmente, mas não me pronunciei publicamente e, ainda assim, sabia que seria atacada".

Hoje, ela diz, nenhuma das duas tem qualquer relação com Allen. "Ele não é nada na minha vida. E isso é bom", falou ao Telegraph.

"Homens pensam duas vezes graças ao meu filho"

A atriz também falou sobre o filho, Ronan Farrow, e o impacto de suas reportagens com relatos de mulheres denunciando o produtor de Hollywood Harvey Weinstein por estupro. Seu trabalho deu origem ao movimento Me Too, no qual profissionais da indústria audiovisual americana passaram a denunciar publicamente seus abusadores, e ajudou a levar o caso Weinstein aos tribunais. "Acho que homens hoje pensam duas vezes [antes de cometer abuso], pelo menos na cultura ocidental, pelo menos na América", diz. "Obrigada, Ronan."

Mia tem 14 filhos, entre os quais dez adotados, e na entrevista falou sobre a tristeza em ter perdido três deles. A morte mais recente foi do filho Thaddeus, que se suicidou aos 27 anos em 2016. Em seu trabalho humanitário, ela viaja para campos de refugiados para ajudar crianças em situação de desnutrição. Diz ver, constantemente, mulheres perdendo filhos para a fome. "Acho que isso [a morte de três filhos] me dá uma sensação maior de empatia e conexão, porque todos nós estamos envolvidos em alguma luta ou outra, e é importante se lembrar disso conforme atravessamos a vida".

Aos 74 anos, a atriz, que já estrelou 51 filmes, sendo 13 dirigidos por Woody Allen, planeja se dedicar ainda mais ao trabalho humanitário e à família. "Quando eu morrer, se tiver um último momento de lucidez, quer sentir que dei o meu melhor."

Violência contra a mulher