Topo

Passageira acusa motorista de app de tentar beijá-la e enviar nude

Yala Sena

Colaboração para Universa, em Teresina

01/11/2019 21h05

Uma passageira em Teresina denunciou à Polícia um motorista do aplicativo 99 por tentar beijá-la durante uma corrida e em seguida enviar foto de suas partes íntimas. Universa não localizou o homem denunciado. A empresa disse repudiar o crime e afirmou que bloqueou o motorista da plataforma (leia mais abaixo).

O caso de importunação sexual é investigado pela Delegacia da Mulher, no Centro da capital piauiense. A vítima de 34 anos - que pediu para não ser identificada com medo de retaliações - apresentou como prova a mensagem com foto que o motorista enviou para ela.

O crime ocorreu por volta das 14h45 de ontem, quando ela pediu uma corrida, que custou R$ 10,60, da avenida Barão de Gurgueia, no bairro São Pedro, zona sul de Teresina, para um banco na avenida João XXIII, na zona leste da cidade.

A vítima diz que durante o percurso, o motorista pediu para abastecer o carro e ela autorizou. Quando estavam no posto de combustível, ele iniciou as investidas, segundo ela.

"Ao chegar no posto, ele me perguntou se eu queria ir para o banco da frente, e eu disse não. Em seguida, perguntou se eu era casada, se tinha filhos e onde eu trabalhava. Eu disse que era casada e tinha um delivery de lanches, e ele disse que gostava de lanchar. Passei meu endereço da rede social, caso ele quisesse fazer um pedido", afirma a vítima.

Ao finalizar a corrida, quando estava pagando em dinheiro, a passageira diz ter sido surpreendida com o motorista puxando sua mão.

"Quando dei o dinheiro, ele puxou minha mão e disse 'venha cá' e tentou me beijar. Eu abri a porta do carro, ele disse pra fechar a porta e que iria me esperar. Não obedeci, saí apressada do veículo e entrei no banco bastante apavorada", diz a mulher.

"Fiquei horrorizada"

Cerca de dez minutos depois, ela recebeu uma mensagem do motorista dizendo que ela era "muito gostosa", pedindo uma foto dela e em seguida mostrando a imagem de um pênis.

Print de mensagens enviadas por motorista de aplicativo para passageira em Teresina - Reprodução
Print de mensagens enviadas por motorista de aplicativo para passageira em Teresina
Imagem: Reprodução
"Quando vi, fiquei horrorizada, me sentindo desrespeitada. Chamei um táxi amigo e depois fui denunciá-lo", conta a passageira.

Ela acredita que o motorista tenha pegado o número de seu celular pelo Instagram da empresa de delivery, da qual ela é proprietária. Após o assédio, ela denunciou o motorista em grupo de WhatsApp e à empresa 99.

Segundo a vítima, o motorista estava em um Gol e se apresentou com o nome de "Renan".

Delegada diz que é preciso ficar atenta

A delegada Vilma Alves, titular da Delegada da Mulher do Centro, afirmou que o crime de importunação sexual precisa ser massificado para evitar os abusos. Este ano, a delegacia registrou oito casos de importunação e um de tentativa de estupro envolvendo um motorista de aplicativo.

"É um crime novo (entrou em vigor em setembro de 2018) e as mulheres precisam ficar atentas para os abusos. Ele tentou beijá-la à força, puxou a vítima, ela ficou encurralada e refém dele", disse a delegada.

Vilma Alves informou que já tem o nome do suspeito e estava investigando se ele tem outras ocorrências.

A Universa tentou localizar o motorista que está sendo investigado, mas não conseguiu.

99 repudia o crime

Em nota, a empresa 99 repudiou o crime, disse que a política da empresa é de tolerância zero e que orienta os condutores para o respeito a todos. Disse ainda estar disponível para colaborar com a polícia.

A empresa também informou que o perfil do motorista foi bloqueado da plataforma.

"Passageiros e motoristas que tenham sofrido esse tipo de violência devem reportar imediatamente para a empresa, por meio de seu app, ou no telefone 0800-888-8999, para que o acolhimento e suporte necessários sejam oferecidos. Trabalhamos 24 horas por dia, 7 dias por semana, para cuidar exclusivamente da proteção dos usuários, sejam elas motoristas ou passageiras", diz a nota.

A empresa disse ainda que entre as medidas está o kit de segurança, que oferece a opção de compartilhar a rota para contatos de confiança, além de poder ligar para a polícia.

"O app também possui uma inteligência artificial, o Rastreador de Comentários, que vasculha automaticamente as avaliações das usuárias ao fim das corridas para a identificação dos casos de assédio ou violência sexual. Com essa tecnologia, a empresa pode priorizar esses casos e acolher a vítima de maneira humanizada mais rapidamente, bem como tomar todas as providências possíveis, que pode incluir bloqueio e colaboração com a investigação das autoridades."

Violência contra a mulher