Topo

Lexa abre o jogo sobre plásticas: "Não existe problema nenhum em consertar"

Reprodução/Instagram
Imagem: Reprodução/Instagram

De Universa

01/11/2019 14h54

Lexa acompanha seu crescimento profissional constante no cenário musical brasileiro. Com o sucesso, a funkeira de 24 anos inspira hoje milhares de mulheres, vide seus 9 milhões de seguidores no Instagram, plataforma usada por ela para se comunicar com os fãs e compartilhar suas convicções.

Em entrevista a Universa durante evento do serviço de streaming Tidal, a artista comentou sobre a escolha de retratar temas como o machismo e relacionamentos abusivos em suas canções.

"Eu canto o que eu vivo. O machismo existe não só na sociedade como no meu trabalho. É menor do que era antes, mas existe. Eu canto sobre liberdade de expressão pessoal. Motivar outras mulheres a não viver dentro de uma caixinha. Mulher tem que ser ideal e perfeita para ela, não para a sociedade", opina.

Lexa aproveita para falar ainda a respeito da autoestima. Ela, que já havia dito anteriormente ser a favor de intervenções estéticas, declarou sempre estar buscando se sentir bem com o próprio corpo.

"Eu tenho vontade de fazer outras cirurgias. Tenho uma cicatriz na minha barriga que me incomoda, eu quero tirar porque me incomoda. Está tudo certo porque eu estou feliz, embora a gente nunca esteja completamente satisfeito. Eu estou feliz com meu corpo, minha saúde, meus exames. O que incomodar, não existe problema nenhum em consertar. O corpo é nosso e fazemos o que quiser com ele", argumenta.

Por fim, a funkeira rasgou elogios as suas colegas de trabalho, Anitta e Ludmilla, que impulsionam a voz feminina no funk, ainda predominado por homens.

"Eu acho que estamos representando lindamente e arrasando. Estamos sempre entre as mais tocadas. Nossa presença está crescendo e o meu desejo é que apareçam mais meninas com vigor e vontade de fazer acontecer. A gente tem que colocar esse segmento para frente com louvor", conclui.

Autoestima